[NnY] Capítulo 51 – O Herói e Shuria, Erguendo as Cortinas

… por mim, eu só dormia, mas traduzir ajuda a distrair, então vamos lá – Este capítulo foi traduzido de wn404.


Capítulo 51 – O Herói e Shuria, Erguendo as Cortinas

Nós olhamos em cada cantinho da mansão, tudo a toa quanto o paradeiro de Sori. Ela não estava nem em seu especialmente concedido quarto pessoal.

Servos normalmente tinham quartos compartilhados, mas usando o status dela como uma pequena nobre, eu arrumei para ela seu próprio quarto, que deixava mais fácil de fazermos algumas de nossas escapadas privadas.
Ninguém na mansão tinha nem ideia de quando exatamente Sori havia desaparecido.

(Não, se acalme, Yumis. Pense de novo, nós dormimos juntas na mesma cama apenas na noite anterior. Eu me lembro distintamente de Sori sucumbindo à exaustão primeiro e caindo no sono antes de mim…)

“… Minha única pista é aquela maldita carta.”

Eu ainda tinha aquele envelope selado em mãos.
O papel tingido de vermelho dava uma impressão terrivelmente sinistra.

Mas isso pode ser minha única pista para achar a querida Sori.
Esperando o pior, eu abri a carta.

Dentro, havia o papel azul claro que é especialidade da minha casa.
Era uma carta de áudio.

Olá, minha querida Yumis nee-sama. O show começa hoje a noite, o palco está marcado logo após do pôr do sol. Se você deseja o retorno de Sori, eu sugiro altamente que você venha preparada. Eu terei uma escolta esperando na estrada fora do portão leste. De sua querida

Esse tom jovial era sem dúvida o de Shuria.
A entonação natural era diferente ao da mãe e irmã fraudulentas que eu havia feito, era de uma pessoa viva, respirando.

Isso instantaneamente provou que Shuria estava viva, e que aqueles sonhos não eram meramente sonhos.

“! POR QUE, por que, ela está viva…!”

Eu tinha uma impressão sobre isso. Mas minha mente lógica havia negado isso toda vez.
Impossível. Como raios aquela frágil garotinha podia sobreviver depois de perder toda sua magia?

Talvez aquele demônio, ele se aliou à ela nisto e… não.
Haviam muitas condições necessárias antes de alguém poder formar um contrato demoníaco. Mesmo que o demônio se encontre desejando por isso, Shuria não poderia ter forjado um contrato como ela estava.
E um demônio é incapaz de fazer qualquer coisa para alguém a não ser que seja estipulado através de um contrato assim. Conclusão: o demônio não estava ajudando ela.

O que implicava que o demônio não tomou a alma dela.

Mas a realidade era que Shuria estava viva, e ela tinha até a audácia de me desafiar.

(Não, isso não importa agora. Eu preciso encontrar Sori primeiro e…!!)

“.. Chamem Ronbert.”

Depois de um tempinho, um largo homem com uma sensação até que vulgar nele apareceu diante de mim.

“Você chamou, Senhorita?”

Entre o poder militar de nossa terra, eu tinha 50 pessoas sob meu controle direto. Uma unidade de Forças Especiais, se você quiser, que cuidavam do trabalho sujo.

Esses homens foram escolhidos entre mercenários e aventureiros aposentados que tinham experiências anteriores em guerra, e eram todos adeptos à um certo grau, bem como eram todos ferramentas convenientes para situações estreitas.

Eu usei eles para eliminar as pessoas que se provaram incômodas para minha pesquisa, e também aqueles que xeretaram nos meus assuntos. Eu também tinha usado eles para limpar a velha vila de Shuria do mapa.
Eles trabalham bem o suficiente, garantido que eu providencie o ouro, e eram especialmente úteis para emergências como hoje.

“Ronbert, eu tenho um trabalho para você.”
“Sim, sim, e sobre o pagamento…”
“Você não precisa se preocupar, eu tenho 1 ouro para cada homem que você tem. Agora rapidamente, vá pegar todos eles.”
“Tod’eles?”

Os olhos de Ronbert se arregalaram em surpresa.
A maioria do trabalho sujo não requeria reunir todo mundo, trabalhos de assassinato precisavam de 5, 8 deles no máximo. Todas as outras vezes, eles eram empregados como minha rede de inteligência.
Mas apesar de eu saber que minhas ações podiam ser descritas como exagero, eu não estava num estado para considerar em ligar para isso.

“De fato, todos eles. Este trabalho não será seu assassinato usual. Sori foi sequestrada, nós precisamos pegar ela de volta.”
“Por que a gente então? Você não pode arrumar o grupo de guardas para ajudar com isso?”
“Se eu fizesse isso, eu não poderia matar aqueles baderneiros bem ali e na hora, poderia? Eu arrancaria deles agora membro por membro se eu pudesse, caralho.”

Eu respondi num olhar cerrado, mana densa exalando de mim como que agitava por minha fúria.

“Só prepare o time mais forte possível. Para hoje a noite.”
“Entendido, Senhorita.”

Ronbert, que agora demonstrou um exemplo claro da frase ‘silêncio é ouro’, deixou a sala.
Agora sozinha, eu pensei sobre meus objetivos.

“… … …”

Eu não sabia de muita coisa.
Por que Shuria estava viva. O que eram aqueles sonhos.

Sem dúvida que os dois estavam relacionados, mas Sori havia agido perfeitamente normal mesmo ontem. Eu tinha até me certificado que não haviam quaisquer sinais da suposta tortura.

Lá fora, ainda era meio dia.
Várias sensações me comendo, eu cuidadosamente preparei para massacrar o captor de Sori, que eu fui levada a crer que era Shuria, e qualquer um afiliado à ela.

Completamente equipada e pronta para ação, eu, junto com minhas forças especiais estávamos reunidas na estrada fora do portão leste.
A história para disfarçar seria que nós estávamos conduzindo um exercício militar na floresta mais ao leste. No que haviam tido relatórios de Barretes Vermelhos aparecendo na área, em adição do número de corpos de monstros mutilados, já haviam conversas que um irregular poderoso poderia ter surgido.

Como nós estaríamos encarando um nível desses de perigo desconhecido, ninguém deve achar problema em eu ter todos os membros do grupo de subjugação equipado com a armadura completa mais forte disponível. (NT: Full plate armor, aparentemente chamamos de armadura completa)

Algum tempo depois, uma certa coisa se aproximou de nossa localização.

“Isso é ó…”

Era o mesmíssimo bicho de pelúcia que havia desaparecido da minha casa no que ele repentinamente deixou aquela carta sinistra. Ele chegou em um ritmo de caminhada pela estrada ao nordeste, que levava para a já mencionada floresta.

Kshishi

Ele parou a uma certa distância, e zombando chamou por nós com um dedo, antes de correr para longe.

“Persigam ele.”
“Sim.” (NT: Eles não falam “sim”, eles falam “aye”, que é algo mais usado por marinheiros, não necessariamente informal… mas deixa assim)

Nós então corremos atrás do maldito boneco.
Eu senti o ar espetando como agulhas em meu rosto. Mas isto era menos o clima e mais minha completa falta de calma, que deve estar claramente refletida em meu rosto e expressão.

Nós não tínhamos uma pista da força do inimigo, e sem contar que eles tinham uma importante refém contra a gente. Além disso, há a súbita aparição de um boneco auto-movente que pode ou não ser uma nova raça de monstro.

Meus tratados com o submundo haviam me ensinado que a morte está intimamente ligada com a quantidade de informação que alguém tinha, e logo eu avisei as tropas para estarem preparadas para um ataque surpresa por qualquer parte.

Nós havíamos alcançado a floresta, e andamos mais ao fundo por outra 1 hora. Lá, nós vimos eles.

“Boa noite, Yumis nee-sama. E também ao resto de vocês cavalheiros, um e todos, bem vindos à este maravilhoso show.”

Uma voz, clara como um sino.

Assim como o horizonte separava a terra e o céu, a floresta subitamente deu espaço para um largo plano circular, sua superfície não tendo nem grama ou mato, como que proclamando sua designação como o campo de batalha.

No centro desta arena, havia uma árvore seca vazia de quaisquer folhas, e em um galho grosso dessa árvore sentavam 3 indivíduos.

Um daqueles 3 era uma garotinha. Seu cabelo prateado balançou no vento da noite e ela tinha algo como um vestido tubo preto. Era a sinistramente sorridente garota que havia falado.

“Shuria… você é Shuria?”
“Essa sou eu, Yumis nee-sama. Parece que eu não havia bem morrido, e renasci maravilhosamente como você pode ver.”

‘Kusukusu’, riu a garotinha excedentemente diferente daquela que eu havia conhecido.

Sua expressão de querubim e o distinto ar ao redor dela fez ela parecer uma completa estranha.
Suas feições faciais e voz haviam parecido familiares antes, mas no que eu vejo ela agora em pessoa, eu podia dizer que isso também havia mudado, ainda que tão levemente.

O jeito que ela parecia sob esta noite iluminada pela lua, com um dedo em seus lábios para enfatizar suas palavras, ela parecia exalar um charme tipo aquele de uma súcubo.
Ela não tinha uma gota de sua anterior inocência brilhante naqueles olhos.

“Uma lua azul tão clara que nós temos hoje a noite. Mas vamos acabar a intermissão aqui, nós podemos aproveitar a lua em outra ocasião. Mas eu devo admitir, o vermelho do sangue combinará esplendidamente o o céu cobalto desta noite.”

Eu senti um arrepio severo como se uma língua de gelo tivesse lambido a parte de trás do meu pescoço.

Shuria saltou para baixo, e os outros dois seguiram.
E bem quando eles fizeram isso, a árvore já seca ruiu de volta à terra, como se seu tempo tivesse sido acelerado diversas vezes.

Kshishi
“Muito obrigada por ter guiado eles, Ursinho.” (NT: Teddy bear = urso de pelúcia… ela chama eles por nomes fofinhos da espécie que são…)

Com seu dever completo, o urso de pelúcia que parecia reconhecer Shuria como sua mestra trotou até ela. Minha suposta meia-irmã então prosseguiu à gentilmente acariciar a cabeça do boneco.

“Os outros dois, eu pensei que vocês pareciam familiares, vocês são as mesmas pessoas que eu encontrei fora da cidade, aqueles que batalharam com aquele Orc Preto, não são?”
“Oh? Então você se lembra da gente. Aqui eu pensei que você não se importaria.”
“Eu pensei que a inteligência dela fosse igual de uma lagarta, mas a memória dela é um pouquinho melhor, parece.”
“… Lixo do caralho, parece que conversar é inútil. Retornem Sori para mim, agora.”

O garoto de cabelo preto e a garota beastkin estavam rindo.
Eles devem ter sido os tolos que vieram para ajudar Shuria. Previamente, eles tinham a aparência de guerreiros, e estavam lidando com um Orc Preto só com os dois. A Shuria mudada de lado, eu não devo subestimar eles. Eu agora possuo magia tao superior, que eu não vejo um jeito em que eu possa perder. (NT: Eu chamo isso de subestimar eles)

“Oh, claro. Eu terei ela sendo trazida para cá imediatamente. Gatinho, você pode vir agora.”

Pelas duas palmas afiadas de sua mão, o que apareceu da floresta do outro lado era a pelúcia de gato que eu havia comprado uma vez para Shuria. O garfo e faca não estavam mais em suas mãos, mas presos ao seu lado, e sua pequena mão puxava agora uma corrente.

Nishishishishi
“Urk, ahh!!”
“SORI!!!”

Minha querida Sori se rastejou de quatro atrás do boneco felino. Suas roupas estavam rasgadas por toda parte, e seus membros presos em grossas algemas de metal.
Ela tinha uma coleira de couro, como aquelas usadas em animais não treinados, em seus pescoço que estava ligado na corrente segurada pela pelúcia de gato.

“Gatinho, você pode soltar ela.”
Nishishi
“Aiee!?”

Depois de soltar da corrente da coleira dela, o gato então usou sua faca para cortar fora as correntes nas algemas que prendiam os membros de Sori.

“Vá para sua mestra agora, isca.”
“Eh, ah.”

Como se compelida pelo comando de Shuria, a hesitante Sori lentamente andou até mim.
E depois de um momento, como se ela não pudesse aguentar suas emoções, Sori agora veio correndo, lágrimas em seus olhos.

“Yumis-sama, Yumis-samaaa!!”
Soriii!”

Eu recebi minha cansada, desgastada Sori em meus braços o mais gentilmente que eu pude.

“Ah, ahh, Sori, você ficou tão magra–”

Não, esta não é minha Sori!!

“Senhorita! Se’faste dela!!”

Naquele instante, eu podia ver que Ronbert que estava do meu lado sacou sua espada.
No que a palavra armadilha surgiu em minha mente, eu imediatamente empurrei para longe esta coisa que havia fingido ser Sori, mas eu estava um momento tarde demais.

“Kshishishi!”

Aquela falsa Sori havia pego uma pequena adaga multicolorida com o símbolo 8 marcado nela, e havia além do mais espetado ela em mim, no que ria de mim, distorcendo o belo rosto de Sori num sorriso bruto.
Essa risada parecia estranhamente similar à daquela criatura urso de pelúcia.

“Ukh!!”

Assim que eu pulei para trás, longe da falsa que não demonstrou mais reações, Ronbert cortou fora seu braço.

“Ruja, Ó espírito do vento, RELÂMPAGO!”
“Kshishishijijiji!”

Eu acabei com o doppelgänger com meu relâmpago verde que resultou na vriatura estourando numa névoa, não deixando nem um corpo.

“Ah, então você acabou vendo através do disfarce, apenas a aparência era igual, afinal.”

Shuria disse tranquilamente enquanto ela colocava outro sorriso distorcido.

“Kusukusu, okay, estamos todos prontos para o evento principal? Eu não sou a única que estará atuando esta noite.”

Eu contive a pura fúria que fervia dentro de mim pelo fato que eles haviam usado a aparência de Sori como um meio para me enganar, e puxei fora a adaga que havia espetado em mim.
Essa pequena espada também desapareceu em névoa.

“O que vocês f—”

O que eles haviam feito comigo, eu não pude terminar de perguntar.

“Ugh, ah, AAAH!! Minha, cabeça…”

Um tremendo volume de memórias estrangeiras foram enfiadas no meu cérebro. Eu senti como se algo estivesse diretamente fluindo para dentro da minha cabeça. Não, não era minha cabeça que estava sendo adulterada, era minha própria alma. Coisas estavam se tornando uma bagunça desorganizada dentro de mim, no que eu senti o que parecia ser uma parte da minha alma sendo sobrescrita.

Vejamos. Isso funcionou?
Eu estava tentando algo completamente novo e sem testes, e honestamente não sabia nem se isso era possível. Eu apenas por acaso tive uma ideia e fui com ela, e se ela não funcionar, isso estaria bem também.
Se eu tivesse esta ideia um pouco mais cedo, eu poderia ter usado ela no Barkus e seus capangas, perdi uma ótima oportunidade ali.

“Hey Senhorita! Cretinos do caralho, que ‘cês fizeram co’ ela!!”

O cara grande que parecia ser o chefe do exército pessoal de Yumis gritou.

“Meh, apenas fiz ela lembrar algumas coisas.”

Eu tive Yumis esfaqueada com uma 【Eight Eyed Transparent Tome Sword】 que eu havia pré-enchido com o máximo de mana que eu podia enfiar dentro.
A 【Eight Eyed Transparent Tome Sword】 tinha a habilidade de ler o status do alvo e registrar nele.
Então o que era este ‘status’?
De onde esta espada está tirando toda esta informação? (NT: Você está muito engraçadinho, hein Robin?)
Definitivamente não é do corpo, se o status vem do corpo, ele não teria o nome do alvo ali. Você poderia fazer um argumento do cérebro sendo a fonte, mas então até recém nascidos tinham seus próprios status incluindo um nome.

Isso significava que ela tirava esta informação da alma.

A coisa chamada alma definitivamente existe neste mundo. Por exemplo, wraiths, um tipo de morto-vivo que eram apenas alma, eram criatura reais. (NT: Wraith pode ser traduzido como aparição, mas… não, não.)
Agora, se a alma armazenava todos estes dados, então o que a 【Eight Eyed Transparent Tome Sword】 estava fazendo era copiar esses dados dentro. Então, não seria possível copiar os dados sobre Yumis que eu tinha da minha primeira passagem diretamente para a atual ela?

Não, olha, eu percebi que esta interpretação de seu poder é liberam demais. Mas se funcionasse, ela se lembraria do que ela fez comigo na primeira passagem. Se não funcionasse, tanto faz.

O objetivo da missão não mudaria não importa o resultado. Era uma questão de sentimento. Se ela lembrasse, então ela gritaria sua dor, sabendo o que ela fez.

E pela aparência disso, o truque funcionou.

“Haah, haah, o que, vocês, fizeram comigo, minhas, memórias…”
“Por que você não responde isso você mesma? Você deve saber.”
“… … Ukei Kaito, o herói de outro mundo, você deveria ter sido executado, espera, no pretérito? Mas essas não são minhas.”

Os murmúrios dela diziam tudo, ela me reconhecia como eu.

“… … … Haha.”

Eu subitamente senti alegria, tanta, alegria extraordinária.

“AHAHA, AHAHAHAHA! Aa, … Aa, ahh, AHH!! Eu estou tão feliz, tãããoooo FELIZ em ver você, sabia disso, Yumis? A última vez foi quando eu fui morto, e agora nós finalmente podemos fazer aquela segunda dança. Ergam as cortinas, ergam elas alto, ALTO!! O tolo Herói mais uma vez entra no palco!! E a Maga se junta também, ela querendo ou NÃO!!”

As memórias foram todas sobrescritas, ou elas foram salvas sob um nome diferente?
Quem liga, eu com certeza não. Era tudo igual para mim.
Ela estava de volta. Isso era tudo que importava.

“… Eu gostaria de evitar de falar besteiras completas, mas como eu consigo ver, seu objetivo é contrariar meu sonho, não é?”
“É SIM!! E eu farei isso devido ao meu voto, neste momento!! Eu te matarei! Eu matarei todos vocês!!! Começando com VOCÊ, Yumiss!! Eu te enviarei para as profundezas do desespero, desolação e desarranjo, eu terei certeza que você MORRERÁ dolorosamente!!”

ANTERIOR | ÍNDICE | PRÓXIMO

2 respostas em “[NnY] Capítulo 51 – O Herói e Shuria, Erguendo as Cortinas

Deixe uma Resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s