[NnY] Capítulo 38 – O Destino de um Certo Garoto

É interessante ver um projeto que acabou dividido entre alguns grupos em inglês sendo traduzido inteiro por mim… mas enfim, vamos lá – Este capítulo foi traduzido de Light Novel Bastion.


Capítulo 38 – O Destino de um Certo Garoto

No dia seguinte, assim como no dia anterior, eu comi o café da manhã que Minnalis havia cozinhado, fiz preparativos e nós dois deixamos o hotel.

Não havia necessidade para acordar cedo hoje, então eu levantei da cama algum tempo depois que o sol havia nascido, e pela hora que nós deixamos o hotel, a cidade já havia começado a se mover.

Nessa cidade, em que pessoas de todas as regiões do reino se reuniam, muitas lojas eram abertas assim que o sol subisse até o céu, e por volta do meio dia, muitas pessoas estavam conduzindo negócios – camelôs suspeitos com mercadoria desconhecida, mercadores novatos e pessoas vendendo bens de segunda mão numa barganha.

Este era um mundo sem quaisquer relógios precisos como aqueles no Japão, então não haviam métodos de dizer a hora além do meu relógio biológico e quão alto o sol estava no céu, mas olhando para a cidade inteira, eu achei misterioso como o número de lojas abertas e as horas que elas abriam permaneciam iguais dia após dia.

Bem, eu mesmo não tenho um relógio, então eu só estava chutando, então eu não realmente sei com certeza também.

O local de encontro para a competição de hoje era no portão leste da cidade.

Não era muito longe do hotel até o portão leste, mas mesmo andando essa pequena distância, nós tivemos que andar por muitos estandes. Haviam todos os tipos de coisas que atraíram meu interesse, mas hoje, eu tinha que deixar todas elas de lado até mais tarde.

Sem nos distrairmos, nós seguimos para o local de encontro em que nós havíamos concordado.

“Hmm, nós não fomos os primeiros a chegar”, eu disse.

Já havia uma silhueta no portão leste enquanto nós nos aproximávamos dele.

Nós aina estávamos uma boa distância longe, então parecia que ele não nos notou, mas eu podia ver o garoto de ontem de pé ali sozinho. Parecia que ele estava conversando com os soldados que estavam trabalhando como os porteiros do portão leste.

Este era um mundo onde cabelos bem coloridos que pareciam celebrar a existência de isekais eram normais, mas era fácil avistar  vívido cabelo dourado do garoto dentre a multidão. (NT: Isekai, para quem não sabe, é a palavra japonesa para “outro mundo”)

“Você queria que a gente fossemos os primeiros a chegar?” Minnalis perguntou.

“Hmm? Não, não realmente.” Eu disse. “É só que eu sinto que nós saímos até que cedo, e eu não pensei que alguém teria saído ainda antes. O entusiasmo dele é um pouquinho, você sabe…”

Huh, parando para pensar nisso, eu ainda nem aprendi o nome dele. Bem, eu provavelmente não verei ele depois de hoje, então não deve importar se eu pensar nele como ‘garoto’ até nós partirmos.

“Bem, tanto faz, isso não importa. Vamos lá.” Eu disse.

“Sim, Goshujin-sama.”

Assim que nós diminuímos um pouco a distância, o garoto nos notou e se aproximou de nós com um olhar de algum modo aliviado em seu rosto.

“Bom dia, vocês não estão atrasados? Eu achei que eu havia errado o local de encontro”, ele disse.

“Atrasados? Não, eu acredito que nós chegamos até que mais cedo”, disse Minnalis.

Ela estava certa. Comparado com a maioria dos horários que os aventureiros saíam para caçar, agora podia ser considerado um pouco cedo. Na verdade nós não decidimos em um horário além de ‘antes do meio dia’, então não tinha algo assim como mais cedo ou atrasado.

“O que você está dizendo, é muito mais tarde do que ontem, não é? E não fale comigo tão familiarmente quando você é apenas uma escrava. E julgando pela sua aparência, você é uma pessoa fera também. Não se aproxime muito de mim; seu fedor de fera ficará nas minhas roupas.”

Essas palavras irritadas saíram de forma lisa da boca do garoto.

Ele estava olhando carrancudo para Minnalis; ela havia separado o mundo em ranques do jeito que ele queria e estava olhando para ela com desprezo.

Os incontáveis olhos que olharam para mim depois de decidirem que eu era um inimigo para o mundo.

Os olhos dos aldeões que haviam olhado para Minnalis com desprezo porque ela era uma pessoa fera.

A exata mesma sensação desagradável no peito, esses olhos que você podia achar em qualquer parte.

Naquele ponto, este garoto já havia sido confirmado como sendo lixo, mas a coisa assustadora foi que ele não parou ali.

“Isso mesmo, mais importantemente, eu estava falando sobre hoje. Por que vocês voltaram mais cedo ontem? Por causa disso, nós não pudemos treinar nossa coordenação!” Ele disse.

“Perdão?” Eu disse.

O que ele estava dizendo de repente? Eu não conseguia entender.

“Treinar nossa coordenação. Nós não podemos simplesmente trabalhar como um grupo juntos sem saber as habilidades um do outro”, o garoto disse, usando uma expressão como que para dizer “minha nossa”.

A primeira coisa que eu não conseguia entender é porquê nós tínhamos que trabalhar juntos como um grupo. O que esse cara estava pensando? O interior da cabeça dele era um campo de flores ainda maior do que eu pensava.

Eu estava tão embasbacado e fiquei silente, e o garoto continuou falando, parecendo ter tido algum tipo de mal entendido.

“Bem, está tudo bem se vocês apenas se destacarem o máximo que puderem para atrair a atenção dos inimigos; enquanto vocês seguram eles para que eles não se aproximem de mim, eu os finalizarei com minha magia. Ah, você, não se destaque muito, tudo bem? Eu não sou muito bom em ajustar o poder dos meus feitiços, e diferente da escrava, eu me sentiria mal se você fosse pego neles.”

… Então, o que ele está dizendo? Que ele quer nos usar como um escudo de carne? Este cara.

Não só isso, mas ele queria que a gente se destacasse e agisse como isca, e além disso, ele usaria feitiços sem ligar se Minnalis fosse pega neles?

… Eu havia pensado que minha opinião do garoto havia alcançado  ponto mais baixo possível, mas então o chão caiu ainda mais para baixo.

Foi um pouco surpreendente; eu não havia esperado que eu pensaria tão baixo deste garoto de que eu não ligava nem um pouco.

“…”

A expressão sumiu do rosto de Minnalis.

Era provável que ela havia ativado sua skill porque ela era incapaz de continuar controlando sua expressão; algumas vezes, parece que ela está ultra-dependente desta skill. Talvez fosse melhor se eu avisasse ela disso mais tarde.

Ainda, ah, talvez eu deva ter perguntado o nome do garoto… Não, talvez não tivesse razão para aprender o nome dele; se tornaria imediatamente uma informação sem sentido.

“Está tudo bem em matar ele”, eu cochichei para Minnalis.

“Você está bem com isso?” Ela cochichou de volta.

“É, use veneno que não possa ser identificado, e tenha certeza de levar em consideração quanto tempo leva para agir, sim? Parece que nós não teremos muito tempo para aproveitar isso, então não se esqueça disso.”

A atitude do garoto podia ser descrita como ordinária para um nobre. Ele provavelmente não saiu de casa ainda, e não é como se eu não pudesse entender a atitude dele de esnobar escravos e pessoas fera, mas isso não importa.

Eu tive o suficiente de pensar sobre o que era certa e o que era errado durante minha primeira vez por este mundo. Circunstâncias e moral das pessoas, eu não ligo sobre isso. O importante era o que eu pensava.

E este garoto mostrou hostilidade e desprezo para minha cúmplice. Mesmo que ele não tivesse feito isso, ele disse que ele machucaria Minnalis, apesar de saber que ela era minha escrava.

Não havia qualquer razão para me segurar por um cara assim. Então, Minnalis devia fazer isso se ela quisesse. Se ela pretendia se afogar em sangue, eu pararia ela, mas se ela agir racionalmente, não havia necessidade para eu restringir a intenção assassina dela.

“Eu não ligo se você ter ele para você mesma. Mais importantemente, não seria bom para minha saúde mental deixar ele sozinho quietamente depois de ter minha importante cúmplice feita de otária”, eu cochichei.

“O-obrigada, Goshujin-sama.”

Enquanto Minnalis fingia ter ficado assustada das palavras duras do garoto e cobria seu rosto um pouco, eu claramente vi os lábios dela subirem em um sorriso. Ela não conseguia esconder uma emoção que supera os limites da Skill Audácia.

… Minnalis, parecia estar cheia de alegria por ter recebido permissão para fazer isto.

Ela estava gradualmente manchando sua mana com sua intenção assassina.

“… então é assim que é. Vocês entendem o quão incrível eu sou?” O garoto disse.

“Sim, isso é incrível”, disse Minnalis.

O garoto estava se divertindo, envolvido em falar e falar sobre os feitiços que ele podia conjurar enquanto Minnalis preparava seu próprio feitiço.

Eu havia repentinamente perdido completamente o interesse, então as palavras dele entraram num ouvido e saíram pelo outro e eu simplesmente respondi com “Sim” e “Isso é incrível”.

Minnalis e eu estivemos cochichando um com o outro enquanto isso estava acontecendo, ma como Minnalis precisava se focar em seu feitiço agora, era conveniente que eu deixasse ele continuar.

“Não é? Mas minha incriveltude não acaba aí. Um dia, não haverá uma única pessoa neste reino, não, em qualquer nação que não conheça meu nome-”

“… Agulha de Veneno de Partícula de Gelo”, Minnalis cochichou finalmente, e seu feitiço foi completo.

A arma letal dela, que estava cheia de intenção assassina, correu pelo ar sem ninguém notar, exceto nós.

Ele colocou uma mão em seu pescoço, mas não havia ferida ali. Não, falando precisamente, havia uma ferida, mas ela era uma tão pequena, como se um inseto tivesse picado ele.

Agulha de Veneno de Partícula de Gelo.

Era um feitiço original para misturar veneno que Minnalis havia inventado, e como seu nome sugere, ele congelava veneno em pequeninas agulhas.

Um feitiço que adicionava o veneno criado pelo Demônio Venenoso das Chamas Fantasmas ao gelo criado por um feitiço composto de elementos de água e escuridão, que Minnalis possuía uma afinidade relativamente boa.

Eu subitamente pensei nisso enquanto conversava com Minnalis durante nossa jornada da capital real, e juntos, nós achamos tempo para desenvolver este feitio. Era difícil de controlar, mas a quantia de mana usada para isso era pequena; era difícil de detectar ambos visualmente e por sua mana.

Assim que os minúsculos, gelos em formato de agulha perfuravam o alvo, eles imediatamente derretiam em veneno e viajavam pelo corpo. Contudo, porque as agulhas de gelo em si não eram muito duras e não tinham muita força, até armadura de couro de baixa qualidade podia repelir elas. Junto com a qualidade específica às pessoas fera que permitia que eles dispersem sua mana mais facilmente, as situações em que este feitiço podia ser usado eram bem limitadas, então ele não se tornou o feitiço versátil que nós pensamos que seria.

Contudo, a vantagem que compensava por isto era que ele podia envenenar  alvo sem ninguém notar.

“Oh, olhe para isto, nós não nos reunimos até que cedo hoje?” Disse Barkas no que ele e seu trio apareceram com um timing imaculado. “Kukuku, isso é porque vocês sentiram que não podiam fazer seus senpais esperarem? Vocês certamente entendem isso, não. Em consideração à isso, eu posso perdoá-los se vocês pateticamente esfregarem suas testas contra o chão e se desculparem, sabiam?” Ele disse, sorrindo largamente.

Era uma provocação incrivelmente óbvia.

Vendo os olhos dele que estavam cobertos com uma ganância de lixo pelo cajado do garoto e Minnalis, era fácil de ver que Barkas não tinha intenção de perdoar o garoto.

Contudo, o garoto não notou isto e foi atraído por esta simples provocação, gritando com Barkas por seu temperamento.

“O que você disse!? Quem faria algo tão sem vergonha quanto isso?!” Ele gritou.

“Entendo. Então nós devemos começar”, Barkas disse indiferentemente, levemente dando de ombos.

“É, eu definitivamente farei vocês chorarem!”

“Tente, se você ousar, mas a coisa importante é não ser cercado e morto por Goblins. Aventureiros novatos agindo bravamente e então sendo mortos por Goblins ou algo assim é uma história bem comum.”

“Hah, quem vai ser morto por Goblin?”

“Não, você nunca pode dizer, sabia? Neste ramo, ninguém sabe o que o futuro guarda. Você pode morrer a qualquer momento”, Barkas disse, suprimindo seu riso.

Nós mostramos nossas placas, a prova que nós éramos aventureiros, ao guarda do portão e passamos pelo portão leste. Nós viemos até a cidade pelo portão sul, que era cercado por uma floresta com a única abertura sendo logo ao redor do portão, mas em contraste à isso, havia uma planície com uma vista clara, logo fora do portão leste.

Ao nordeste, eu podia ver pequenas montanhas numa bela distância, e uma floresta esparsa seguia inacabavelmente no pé daquelas montanhas, como que tentando se encostar nelas. A planície era tao larga que levaria três dias para chegar até as montanhas se nós andássemos numa linha reta.

Eu, Minnalis, o garoto e o trio de Barkas viajamos para aquela floresta esparsa sem muita conversa acontecendo.

“Bem, então, a competição durará até o pôr do sol de hoje. Retornem para a Guilda antes disso, façam seu relatório e então aguardem ali. Se vocês não retornarem para a Guilda antes do sol ter terminado de se pôr, vocês estão fora”, disse Barkas.

“É, eu sei. Venham, vamos lá! Se vocês me seguirem, nós não perderemos, AHAHAHA!”

Oh, parece que o veneno circulou um tantinho, eu pensei.

O veneno que Minnalis havia usado se amplificava ao consumir a mana do alvo, então ele faz com que o alvo entre num leve estado de intoxicação por MP antes de soltar seus efeitos diretos. Eu suponho que seria por volta de uma hora ou duas até ele se tornar incapaz de se mover.

O garoto entrou na floresta cheio de espírito, e Minnalis e eu começamos a andar atrás dele. Nós havíamos planejado nos separarmos do garoto e seguir Barkas e seus amigos, mas no fim, seria muito problemático e todos teriam feito barulho demais se nós disséssemos que nós iríamos do nosso próprio jeito, então nós obedientemente seguimos ele por ora. Nós podíamos apenas conjurar uma ilusão leve e nos afastar dele assim que nós estivéssemos na floresta; afinal, ele estaria morto em breve.

Eu olhei ao redor de forma velada para ver o trio de Barkas entrando na floresta por uma direção diferente.

O olhar deles ainda estava direcionado para nós, tanta ganância simples em seus olhos que parecia que eles iam começar a lamber seus lábios.

Mais tarde, um corpo foi descoberto por um aventureiro, decomposto tão completamente que era impossível de se dizer de quem o corpo era. Tudo, da armadura de couro até a área onde o chão estava em contato com o corpo, havia se decomposto até virar um mingau, soltando um odor fedorento.

A única coisa que havia preservado sua forma era o graveto de madeira que parecia ser um cajado na mão do corpo, mas ele havia se deteriorado tanto que ele esfarelaria se fosse tocado; era impossível de determinar que tipo de cajado era.

Apesar de um pedido ter sido colocado na cidade de Ermia para investigar se isso foi o feito de um novo tipo de monstro, nenhum corpo similar apareceu depois, e as pessoas se esqueceram completamente sobre isso antes de tarde.

ANTERIOR | ÍNDICE | PRÓXIMO

Anúncios

Uma resposta em “[NnY] Capítulo 38 – O Destino de um Certo Garoto

Deixe uma Resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s