[NnY] Capítulo 36 – O Herói Sofre uma Inesperada Emboscada

Mudou de tradutor de novo, mas tudo bem, já estamos acostumados com o esquema, vamos lá – Este capítulo foi traduzido de Cardboard Translations.


Capítulo 36 – O Herói Sofre uma Inesperada Emboscada

A aposta foi feita para ser resolvida amanhã. Nossos dois grupos entraremos na floresta simultaneamente e competiremos para ver quem consegue caçar mais goblins antes do pôr do sol. Eu, claro, fui quem negociou os termos, e consegui fazer isso até que favoravelmente, salvo um único erro. Eu havia apenas pretendido em dar ao jovem mago uma ideia, mas eu acabei sendo arrastado para a competição como um de seus aliados.

O mago havia reclamado que não seria justo para ele ir contra um grupo de três sozinho. Os aventureiros também não queriam ficar conhecidos por jogarem seu grupo inteiro contra um único novato, então eles efetivamente apenas me forçaram, a pessoa que sugeriu a ideia, a ser uma parte disso.

Outra circunstância irritante foi o fato que os aventureiros pensaram que ambos os aventureiros e o mago recusaram a opção de apenas transformar tudo num 1×1. Os primeiros pensaram que seria injusto, enquanto o último simplesmente não queria fazer isso assim. Eu queria recusar de toda forma, mas nós já havíamos levantado uma zona e um monte de outros aventureiros haviam começado a se reunirem ao nosso arredor. Eu não queria me destacar mais do que já havia, então eu ultimamente acabei apenas acenando junto e concordando.

Isso, claro, ainda não era o último dos meus problemas. O mais importante de todos é que eu não queria que as pessoas pensassem que Barkas e eu tivéssemos problemas um com o outro, eu queria ficar livre de dúvidas quando a hora chegasse.

Logo, eu declarei, bem diante da recepcionista da guilda, que nós iríamos adicionar diretamente à contagem de mortes do mago, mas sem participar diretamente na aposta. Isso é, nós não colocaríamos os materiais que ganharmos em jogo. O garoto mago conseguiria todo o espólio do grupo de aventureiros se nós ganharmos. Os aventureiros apenas conseguiriam o espólio dele se eles ganharem. Era uma sugestão que nos tirou como parte interessada na questão. Nós éramos apenas atores de suporte ali para preencher os números.

Ambos Dot e Terry pareciam um pouco relutantes em concordarem aos termos em favor do mago, mas nós conseguimos convencer eles que nós merecemos uma vantagem, já que nós não só estávamos apenas passando e acabamos sendo forçosamente arrastados nesta situação, mas também éramos aventureiros recém registrados ainda por cima.

Outra afirmação que nos ajudou para convencê-los era o fato que nós dissemos que nós entregaríamos um terço de nossos lucros totais independentemente de quanto o mago realmente conseguir. Indo pela dita metodologia iria impedir a gente de dar a chance ao grupo de Barkas de clamar que Minnalis e eu fizemos tudo e que o mago apenas foi um acessório. (NT: Ué, vão pagar sem receber caso ganhem…?)

Barkas não havia realmente dito muito durante a negociação. Ele manteve sua boca fechada no que ele escaneou o cajado do mago e o corpo de Minnalis em seguida.

Os pensamentos dele eram ridiculosamente fáceis de se ler.

O fato que ele havia dado um olhar malicioso para Minnalis me incomodou um pouco, mas a sensação foi sobrescrita pela vontade de rir pela pura simplicidade dele.

Barkas e seus lacaios partiram conosco pouco depois de terminarmos todas as negociações. Nós todos concordamos em nos encontrar na guilda alguma hora amanhã de noite para podermos resolver tudo. O grupo de três dele não parecia muito intento em voltar para o bar da guilda, e ao invés disso deixaram o prédio sem nem sequer converter o Coelho Aural que eles pegaram em dinheiro.

Parecia que eles não tinham nem a menor ideia sobre nossos planos. Na verdade, ele e seus amigos já haviam começado a falar sobre como eles estavam indo beber em algum outro lugar.

“Nós provavelmente devíamos partir também. Nós temos muito a pensar pelo bem de amanhã.”

“Okay.”

“Er, eu poderia ter um minuto antes de vocês partirem?”

O mago nos chamou antes de nós podermos seguir com nossos negócios.

“Me desculpe por envolver vocês. Eu não pude deixar de ter vocês me ajudando porque eu senti que nós éramos bem similares. Eu gostaria de falar com vocês um pouco sobre o que nós faremos amanhã, então por favor me deixem me desculpar pagando pelo café da manhã, se vocês ainda não tiveram ele.”

Eu não pude evitar de responder às palavras do jovem homem com um olhar vazio.

É, não, eu não realmente vejo como eu tinha sequer a menor semelhança com alguém que saiu de seu caminho para comprar uma briga com um grupo de aventureiros pelo que basicamente era razão alguma, mas pensando de novo nisso, o menino mago parecia bem atrapalhado. O jeito que ele pediu por ajuda não foi nada além de esquisito. Eu não senti qualquer má vontade dele, mas parecia como se ele ainda estivesse escondendo algo. Espera, o que ele quis dizer comigo sendo similar à ele em primeiro lugar? Pensando ainda mais sobre a afirmação dele só me deixou ainda mais cauteloso sobre ele.

Minha conjectura mais provável era que ele pensou em mim como algum tipo de nobre, e quis dizer que nós éramos similares nesse quesito.

(Então eu estou achando que isso significa que ele está sentindo uma sensação de amizade?)

Tanto o jeito que ele andou e se carregou eram bem indicativos do fato que ele era de nascimento nobre. Ele não parecia ser do tipo que decidiu se tornar um aventureiro porque sua família caiu da graça também, então as chances eram que ele provavelmente era o terceiro, quarto ou enésimo filho de alguma casa nobre. Isso era bem típico para todos os filhos além do segundo saírem de casa e buscarem um jeito de viverem por si, já que o primeiro filho seria tratado como o sucessor da família, e o segundo seu extra, apenas por precaução.

“Nós já tivemos café da manhã, mas eu não acho que há qualquer necessidade para você estar se preocupando sobre ter nos incomodado. Ajudar os necessitados é apenas natural, afinal.”

Eu sorri no que eu dei de ombros.

Eu não podia me incomodar em corrigir ele porque isso não nós foi realmente inconveniente, então eu apenas meio que deixei as coisas como estão e ignorei ele.

“Tudo bem. Nesse caso, eu terei certeza de dividir a recompensa com vocês e pagar para vocês uma refeição se nós acabarmos vencendo amanhã.”

O jovem mago acabou com a conversa e seguiu para o balcão da recepcionista.

Minnalis e eu escolhemos deixar a guilda também, já que não havia realmente qualquer razão para nós ficamos muito mais.

“Eu devia saber que as pessoas veem novatos com escravos como nobres.”

Nós propositalmente evitamos de esconder a marca de escravo da Minnalis como que para deixar claro que ela era minha escrava, e logo, espantar qualquer um que fosse cativado pelos charmes dela. Eu nunca iria esperar que na verdade nosso rumo de ação levaria às pessoas me confundirem com um nobre.

“Algumas pessoas já sabem, então isso pode não ser tão efetivo assim, mas você quer tentar esconder seu brasão?”

“Eu… gostaria de deixar como está, eu não acho que ser confundido por um nobre realmente nos coloca em qualquer tipo de desvantagem. Além do mais, nós provavelmente toparemos em outros problemas inesperados se eu esconder o fato que eu sou uma escrava.”

Minnalis respondeu depois de passar um momento pensando nas coisas.

“Você provavelmente seria inundada por homens, a se dizer aventureiros homens, se você não escondesse o fato que você era uma escrava. Maioria das pessoas não liga realmente sobre o fato de que você era uma beastkin enquanto você fizer seu trabalho direito. Você também teria que levar em consideração o fato que você é bem linda, então você provavelmente teria eles acumulando em você em dúzias.”

“… eu não realmente acho que eu seja linda. Você não está apenas exagerando as cosias, Goshujin-sama?”

O rosto de Minnalis enrijeceu e entrou em um estado inalterado. Parece que ela não conseguia realmente aceitar o fato que ela era uma beldade. Isso ou ela estava apenas ficando embaraçada. Eu não consigo dizer se o rosto neutro que ela estava usando era natural ou simplesmente o resultado daquela skill dela.

De qualquer forma, eu queria que ela fosse mais ciente sobre como ela parecia. É bem importante saber o que as outras pessoas pensam sobre sua aparência.

“Eu estou sério. Eu estou convencido que você é ambos fofa e bonita. Na verdade, eu estou disposto a apostar que a maioria dos caras achariam o mesmo.”

“Bem… tudo bem.”

A expressão dela ainda permaneceu sem mudar, apesar da extensão do meu elogio. Elogiar ela do jeito que eu fiz me deixou um pouco embaraçado apesar do fato de eu não realmente ver ela em qualquer tipo de luz romântica, então eu mudei o tópico de volta para o que era antes.

“Ainda, eu realmente acho que seria um pouco de encheção de saco para nós rejeitar toda e cada pessoa que tentasse flertar com você, e não é como se nós pudéssemos ir matando todos eles também. Além do que…”

“Além do que o que?”

“O fato que você é uma escrava significa que as pessoas podem tentar se aproximar de você através de métodos baixos. Nós podíamos usar pessoas assim, fazê-las tomarem parte em alguns de nossos experimentos. Por exemplo, você poderia tentar checar se goblins conseguem ou não entender linguagem humana.”

Eu decidi tentar meu melhor em não envolver espectadores aleatórios quando realizando vingança. Há várias razões pelas quais eu tomei essa decisão, a mais importante sendo que eu posso ficar insano, o que por sua vez, me deixaria incapaz de encarar Letícia. Deixar minha sanidade de lado seria como jogar tudo que ela já me deu no lixo.

Minha relutância por assassinato indiscriminado, contudo, só se aplica para aqueles qualificados como seres humanos. Lixo que funciona puramente em instinto não conta. Eles são praticamente monstros, goblins, criaturas que eu não precisava pensar como tendo inteligência.

Ainda, não há razão em apenas matá-los. Mesmo lixo tem seus usos.

Nós começamos a enfiar todas as coisas que nós precisávamos para amanhã em um dos Bolsos Redondos depois de comprar todas as plantas medicinais e venenosas que nós pensamos que poderiam vir a calhar.

Eu peguei a 【Eight Eyed Transparent Tome Sword】 da minha cintura e coloquei um pouco de energia mágica dentro para poder puxar uma lista das coisas em que eu usei ela para avaliar até agora.

Para ser mais específico, eu puxei todos os stats de Barkas, junto de seus companheiros.

Barkas | 31 anos | Homem

HP: 682/682
MP: 569/569
Level: 43

Força: 399
Estamina: 357
Resistência: 390
Agilidade: 418
Poder Mágico: 137
Resistência Mágica: 547

Skills Inerentes: 「Faro de Ouro」

Skills: 『Sword Arts Lv6』『Visão Noturna Lv2』 『Rastrear Lv2』 『Ocultar Presença Lv3』 『Controle Corporal Lv3』 『Desmantelar Lv5』 『Magia de Fortalecimento Lv3』

Estado: Bom (Tonto)

(NT: A magia dele é “magia fortalecida” em inglês, o que não faz muito sentido, então mudei – não só isso, Sword Arts seriam técnicas de espada, eu só não deixei “swordmanship” por conta da próxima tabela; Manipulação Física>Manipulação Corporal… ah, aqui o nome da Skill inerente dele ficou como “Nariz que Busca Ouro”, então mudei para Faro de Ouro, que fica melhor que “Olfato de Veia de Ouro” e passa a ideia)

Dot| 28 anos | Homem

HP: 561/561
MP: 348/348
Level: 37

Força: 253
Estamina: 394
Resistência: 325
Agilidade: 457
Poder Mágico: 217
Resistência Mágica: 319

Skills Inerentes: N/A

Skills:  『Shortsword Arts Lv4』『Sword Arts Lv1』『Visão Noturna Lv3』 『Rastrear Lv5』 『Stealth Lv3』 『Controle Corporal Lv2』 『Desmantelar Lv6』『Detectar Presença Lv2』『Melhoria Menor de Visão Lv2』『Arte de Reconhecimento Lv2』

Estado: Bom (Tonto)

(NT: Espada e espada curta… basicamente foi isso que me fez manter esses “arts”… ah, e esse cara tem “Stealth” ao invés de “Ocultar Presença”; pode ser só uma tradução diferente, mas eu acho que são skills diferentes – ele basicamente é melhor em se esconder/ocultar – o “tonto” do Status é por estar um pouco bêbado mesmo)

Terry| 29 anos | Homem

HP: 415/415
MP: 630/630
Level: 39

Força: 94
Estamina: 214
Resistência: 275
Agilidade: 247
Poder Mágico: 549
Resistência Mágica: 499

Skills Inerentes: N/A

Skills: 『Staff Arts Lv2』 『Manipulação de Magia Lv3』 『Visão Noturna Lv2』 『Magia de Água Lv5』 『Rastrear Lv2』 『Manipulação de Magia Lv3』 『Meditação Lv3』 『Desmantelar Lv5』 『Redução de Custo de MP: Lv2』

Estado: Bom (Tonto)

(NT: Se alguém não sabe, staff é cajado… vamos lá)

“Eles tem um espadachim para a vanguarda, um batedor para reconhecimento e um mago assumindo a retaguarda.”

“O grupo deles é bem balanceado.”

Eu me lembro vagamente deles clamando ser um grupo de ranque C lá quando eu encontrei eles. Eu não tenho ideia se eles estavam ou não blefando, mas se eu fosse juntar, eu diria que o líder do grupo era mais provavelmente um ranque C na época, onde seus membros eram provavelmente ambos ranque D.

Isso, contudo, era como eles iam acabar ficando daqui 3 anos. Neste momento, os stats deles parecem trazer o fato que eles eram todos ao menos um ranque inteiro abaixo do que eles acabariam se tornando ultimamente. Em outras palavras, eles eram tão fortes quanto aventureiros ranque E aproximadamente, e seu grupo era provavelmente um grupo ranqueado em D no máximo.

Eu não conseguia dizer imediatamente qual habilidade inata que Barkas tinha, então eu avaliei ela, apenas para descobrir que ela concedia à ele a habilidade de intuitivamente identificar aquilo que tem um significativo valor monetário.

A forma como a skill está fraseada me deixou em dúvida. A skill não parece conceder conhecimento, uma função como avaliar ou sequer tem a habilidade de examinar a composição de um objeto.

Ela parecia ser capaz de identificar especificamente quando algo vale dinheiro – o que a deixaria sendo até que bem precisa, vendo como é impossível que alguém use minhas Soul Swords sem minha permissão. Isso é, nem a 【Eight Eyed Transparent Tome Sword】 ou a 【Plump Squirrel’s Pouch Sword】 podiam realmente ser vendidas por dinheiro, logo a skill dele falhou em reagir apesar do tamanho das habilidades delas.

“Agora, como exatamente devemos ir fazer as coisas desta vez?”

Eu murmurei sob meu fôlego enquanto me livrava das telas que mostravam os stats de Barkas e seus lacaios.

“Há ainda algumas coisas que nós ainda temos que testar em monstros…”

Minnalis ofereceu uma sugestão.

“Nah, não vamos fazer isso. Aqueles métodos são bons, e usar eles em monstros realmente me ajuda a pensar melhor, mas a maioria deles são primitivos e são centrados em infligir dor.” (NT: Brainstorm>pensar melhor… eu não gosto muito da ideia de brainstorm individual…)

Nós não éramos capazes de nos comunicar com eles, e eles não realmente pareciam ter capacidade de qualquer tipo de pensamento profundo. Logo, nós não fomos capazes de conseguir muito ao testar nada que tivesse até a menor pontinha de complexidade nisso.

“Seria desperdício a gente não testar algo um pouco mais complicado vendo como nós finalmente conseguimos alguns humanos para testar coisas. Eu acho que nós provavelmente lucraríamos mais em fazer algo que envolva uma sensação de medo. É por isso que nós devemos *^&$ e  %^$^%$&^% antes de nós matarmos eles.” (NT: Eu não sei se está assim no original ou se esse tradutor quis censurar… mas tá, dá para imaginar, né?)

Eu contei para Minnalis minha ideia.

“Isso soa bem interessante, mas é realmente possível?”

“Eu acho que sim? Por que nós não vamos testar isso num goblin ou algo assim depois do almoço, só para ter certeza?”

Minnalis concordou e se juntou a mim no que eu me levantei e me preparei para sair.

“O único problema é que eles não serão realmente capazes de sentir qualquer dor se nós fizermos apenas isso. Não seria melhor para nós machucarmos eles um pouquinho primeiro?”

“Claro, mas se segure um pouco. Tente não fazer eles quererem se matar ou desejarem pela morte logo de cara. Eu quero uma boa peça de tortura para mim.”

“Ah, qual é, Goshujin-sama! Não foi você quem ficou preso tendo que aguentar com os olhares nojentos deles. Você teve uma impressão tão baixa neles que eu só fiquei ciente por cima deles quando nós dividimos nossas sedes por vingança, então eu posso lhe dizer com certeza que eles me incomodaram mais do que eles lhe incomodaram. Não devia ser você quem tem que se conter aqui?”

“Ugh, tá, eu acho que você tem um ponto. Cada um de nós teremos uma divisão justa. Eu não darei nada além disso. Eu ainda odeio eles um bocadinho, sabia?”

Nós dois fomos conversando enquanto nós descemos as escadas do hotel.

“Vocês dois já estão saindo de novo? Eu podia jurar que vocês acabaram de voltar.”

A senhora que era dona do hotel nos chamou logo antes de nós sairmos pela porta.

“Yup. Goshujin-sama está me levando para um encontro.”

“Q-que? M-Minnalis?”

Minnalis falou enquanto mantinha seu rosto neutro.

“(Goshujin-sama, você sabe que as pessoas podem transferir os direitos de seus escravos para outros, certo? As pessoas podem tentar me comprar de você se nós não parecermos muito íntimos. As pessoas tipicamente não venderão quaisquer escravos com quem eles sejam chegados, então você precisa agir como se você é realmente ligado à mim se você quer manter todos os insetos longes.)”

Minnalis se aproximou de mim e cochichou para que apenas eu pudesse ouvir ela.

“(Quero dizer, você tem um ponto, mas…)”

A dona do hotel olhou para Minnalis e prestou atenção na falta de expressão dela.

Eu sei que eu literalmente acabei de dizer isso, mas, para enfatizar e reiterar, Minnalis tinha uma completatotal falta de uma expressão.

A expressão morta dela não fará as ações dela ter um efeito oposto aos que ela estava esperando? Eu tenho quase certeza que ela acabou de me fazer parecer algum idiota forçando uma escrava a agir como sua amante.

“(Hey Minnalis, você poderia me fazer um favor e sorrir? Ao menos coloque um sorriso falso já que você está atuando de qualquer forma, okay? Se pretender ser intima lhe envergonha ao ponto onde você tem que usar uma skill para cobrir isso, então você pode logo não fazer isso em primeiro lugar. Okay? Então você pode apenas sorrir logo? Neste momento? Por favor?)”

A dona do hotel olhou para mim. Os olhos dela não estavam só repletos de pena, mas também pareciam aqueles de um peixe morto. Eles pareciam se queimar na minha alma.

Hey, Minnalis? Você poderia, tipo, não ficar apenas encarando vaziamente? Vamos lá…

A gente estava planejando sair, em primeiro lugar, então eu acabei decidindo apenas vazar do hotel.

Eu nunca pensei que eu toparia com esse tipo de emboscada. Eu tenho quase certeza que a dona do hotel ainda está entendendo errado o relacionamento entre eu e Minnalis. A própria consideração do fato que ela pode olhar para mim assim de novo mais tarde me faz meio que querer chorar e até me cagar. Por sorte, eu não fiz nenhum.

ANTERIOR | ÍNDICE | PRÓXIMO

Anúncios

4 respostas em “[NnY] Capítulo 36 – O Herói Sofre uma Inesperada Emboscada

Deixe uma Resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s