[NnY] Capítulo 13 – O Jeito que uma Certa Garota Fera foi Quebrada (1)

Este capítulo foi traduzido de Daily-Dallying.


Capítulo 13 – O Jeito que uma Certa Garota Fera foi Quebrada (1)

“Não dá realmente para achar qualquer comida, dá…?”

“Parece ser assim. Você acharia que depois de toda essa procura, nós iríamos achar algo ao menos…”

Norte do Reino Aurelia, havia uma vila empobrecida que fica logo antes da fronteira do Império Gligar vizinho. Em um ano particular, uma jovem garota – que havia acabado de fazer 15 anos – havia ido explorar uma floresta coberta de neve. Ela estava acompanhada por sua amiga de infância Lucia, que era de uma idade similar.

Nesta região, há variações extremas em temperatura para cada estação. Apesar disto usualmente resultar em colheitas fartas, uma vez a cada dez anos mais ou menos a vila sofreria com uma colheita pobre.

Em tais ocasiões, antes do inverno chegar, os aldeões iriam entrar na floresta próxima para poderem reunir e estocar o final de suas bênçãos.

Este ano era um ano desses; eles haviam sido mais uma vez atingidos com uma colheita pobre.
Apesar deles normalmente estocarem comida em preparação para o inverno, a temperatura caiu antes do que eles haviam esperado. Como um resultado, eles foram incapazes de reunir uma quantidade suficiente de comida antes da floresta ter ficado coberta com neve. Em um esforço para garantir mais comida, alguns homens da vila embarcaram em uma expedição de caça. Em um esforço para ajudar, essas duas crianças foram no que era considerado uma parte proibida da floresta – depois de escapar da supervisão frouxa dos adultos.

“Minaris-chan, me desculpe por te fazer vir aqui comigo. Só porque eu disse que eu queria Keril tendo uma barriga cheia em seu aniversário.”

“Não, está tudo bem. Além do mais, fui eu quem propus que nós devíamos entrar na floresta de qualquer forma. Eu sinto o mesmo que você, Lucia, eu também quero fazer isso pelo aniversário de Keril.”

A menor das duas garotas, Lucia, começou a tremer seus cabelo loiro ondulado, na altura dos ombros, no que ela tentou se desculpar. A outra garota simplesmente sacudiu sua cabeça, como que dizendo para não ligar.

As duas garotas haviam decidido vir aqui ao invés de ir para o aniversário de sua amiga. Elas estavam tentando achar algo gostoso para a amiga delas comer, entrando na floresta sem contar aos adultos.
Contudo, a quantidade de neve que havia empilhado na floresta neste ano foi mais do que o usual. As árvores ainda tinham folhas, mas elas não davam quaisquer frutas. Sem mencionar que a neve escondia ambas as raízes e plantas selvagens comestíveis, tornando o objetivo delas muito mais difícil de completar.

De qualquer forma, as garotas continuaram a buscar o interior da floresta de cima abaixo. Na vila, elas haviam ouvido sobre uma fruta especial que só podia ser achada crescendo de uma certa árvore durante a estação fria. Era dita sendo extremamente deliciosa.

No que as duas garotas prosseguiram adiante na floresta, elas deixaram uma trilha em zig-zag pela neve. Logo elas pisaram nas profundezas da floresta, um local que elas foram ensinadas à nunca entrar.

“Hey, Minaris-chan, nós não devíamos voltar logo?”

“S-sim. Mesmo quando nós não achamos qualquer fruta, eu acho que nós provavelmente devíamos…”

Ouvindo à instabilidade na voz de Lucia, a garota começou a se sentir um pouco mais aliviada sobre sua própria ansiedade.
Apesar da aparência da floresta permanecendo inalterada, havia uma diferença notável na atmosfera ao redor.

Apesar de Lucia, que não era nada além de uma garota aldeã média,  não ter sido capaz de perceber a mudança na atmosfera. Aquela que estava sentindo mais disso, aquela escondendo os poderes de um beastman, era a garota mais sensitiva. Foi ela que precisamente sentiu a mudança. (NT: Eu evito traduzir beastman porque fica meio escroto, mas se estiver beast man, aí eu coloco “homem fera” – mesma coisa se for plural, beastmen)

Elas sentiram como se elas pudessem facilmente se perder na nova, mais bizarra atmosfera da floresta; era pensado que elas estavam em um lugar completamente diferente. Foi a garota que havia proposto inicialmente que elas procurassem pela floresta por fruta, e agora foi ela quem sugeriu que elas retornassem para a vila de mãos abanando. Para ela, era uma coisa amarga para se dizer.

“Bem, então…”

“Ah, espere. Olhe para aquilo, Minaris-chan!!”

Lucia parou, então se virou e apontou para algo pendurado em uma árvore logo adiante.
Apesar de ser levemente difícil de ver devido aos arredores, lá certamente haviam várias frutas amarelas – cada uma cerca do tamanho de um punho. Lucia, que achou as frutas, relatou alegremente para a jovem garota, e…

“Graças a deus, valeu a pena vir aqui! Vamos pegar elas rapidamente e sair- … Uhh…”

No momento seguinte, a garota ficou silente no que seu rosto ficou pálido.
Ao ver o que havia deixado sua amiga tão preocupada, a outra garota também ficou pálida.

“GUGYURURU…”

Havia um único goblin distante.

Com sua estatura diminutiva, rosto feio, pele verde e capacidades reprodutivas anormais; o goblin era reconhecido como um tipo de verme que podia ser encontrado em qualquer lugar. Na verdade, eles iriam invadir e destruir os campos por volta da estação de colheita. Por causa disto, aventureiros são frequentemente contratados para exterminá-los. Apesar de terem sido apenas alguns, os homens da vila se reuniam e espantavam eles com força. Apesar de tudo isto, nunca houve uma ocasião onde qualquer uma dessas duas garotas haviam visto um goblin, nem de longe, no horizonte. Assim, elas não pensariam em nada menos que um adulto se elas fugirem deste aqui. Se fosse apenas escapar de um único goblin, até aquelas garotas adolescentes poderiam conseguir de algum modo.

Contudo, era a cor de sua pele que era o verdadeiro problema. Diferente da pele verde usual de um goblin, este aqui tinha pele que era ultramarina – ou azul profundo.

“Uma espécie rara…”

O goblin médio é geralmente classificado como o tipo mais fraco de monstro. Aventureiros que receberiam missões como juntar ervas também iriam pegar missões de subjugação de goblins, no que eles são um dos alvos recomendados para combatentes de primeira viagem.

Mesmo que elas são amadoras que acabaram de nascer pelos, seria relativamente fácil para elas derrotar goblins. Era ao nível que elas poderiam quase imediatamente destruir uma horda inteira deles sem muito esforço. Contudo, havia um tipo de espécie de goblin de mais alto ranque de que raramente nasce, que foge demais da força da norma. Os mais famosos dessas variantes são soldados goblins e magos goblins. Contudo, há vezes onde outro indivíduo que possui um tipo totalmente diferente de habilidade aparecerá. Essas variantes são chamadas de “Espécies Raras”. (NT: Eu tentei amenizar, mas a expressão utilizada é literalmente “nascer pelos pubianos”, para identificar que está ficando adolescente e tal… se fossem homens, eu já ia tacar acabaram de ter pelo no saco, mas são duas moças, então… é.)

Uma das jovens garotas havia uma vez ouvido sobre aqueles tipos de goblins de um grupo de aventureiros que havia visitado a vila no passado.

Havia apenas uma diferença entre este goblin raro e um goblin comum, sua pele era tingida com um azul escuro. Diferente dos goblins que gostam de climas quentes, esses goblins só apareceriam em áreas frias. Devido à forte resistência ao frio deles, seus movimentos não ficavam nem um pouco mais devagar em áreas frias. Somado à isso, eles tinham resistência mágica o suficiente para repelir magia fraca. Além do mais, suas habilidades e inteligência são maiores que goblins normais, e eles possuem uma natureza muito mais feroz.

“Goblin… de gelo…”

Diferente da outra garota, Lucia não sabia o que um goblin era. Apesar disto, ela ainda foi tomada pela presença intimidadora do goblin.

Felizmente, o goblin parecia não estar ciente das duas garotas. Ao invés disso, ele parecia estar focado em pegar frutas.

“Lucia, se acalme e lentamente…”

“Não, NÃÃÃoooo!!” (NT: Porra, Lucia!)

“Shh! Lucia!!”

Apesar da jovem garota que tentou escapar calmamente ter ido sem ser notada, era uma história diferente para Lucia; que não conseguia nem aguentar o medo ou ouvir sua amiga. Ao invés disso, ela apenas fugiu inconsequentemente enquanto gritava em negação. (NT: Lucia, você é a razão para miojo vir com a receita…)

“Nããoo, não. NÃÃÃOOO!!”

“Lucia!!”

A outra garota notou Lucia em um estado anormal de pânico. As histórias que os aventureiros ocasionalmente compartilharam com os aldeões poderia ter sido a causa disso.

De qualquer forma, mesmo que a garota entenda a causa, ainda não havia muito que ela poderia fazer para ajudar Lucia. A garota se virou e perseguiu atrás de sua amiga. Quando ela olhou por cima de seu ombro, ela viu que o goblin estava olhando para a origem do grito. Ao achar Lucia, ele começou a rir, como se tivesse achado uma presa melhor.

Quando chegou nisso, as duas garotas não podiam fazer anda senão correr rapidamente e inconsequentemente pela floresta. Contudo, a velocidade do goblin era obviamente muito mais rápida do que a das garotas.

E certamente, a distância entre o goblin e as garotas foi lentamente encurtada. Sob a pressão da situação de vida e morte, Lucia se atrapalhou. Ela tropeçou e caiu bem no começo do caminho coberto em neve que elas haviam usado para entrar na floresta.

“Kyaa!!”

“Lucia!!”

“Ugh, uwah.”

Lucia não só torceu seu calcanhar pela queda, mas ela também acabou ficando com metade de seu corpo preso na neve. Mesmo se a garota quisesse ajudar sua amiga, ela não seria capaz. Lucia poderia ser capaz de ficar de pé, mas seu calcanhar torcido iria a deixar lenta demais para elas escaparem do goblin de gelo.

“Gugyagyagyagya!!”

Ao ver isto, o goblin de gelo se aproximando riu de Lucia.

Apesar da jovem garota de fato ter a capacidade para salvar sua amiga. Já que todos beastmen tinham um poder dentro de si.
Se ela se contivesse um pouco que seja, então o goblin de gelo não seria derrotado; somente um ataque com tudo poderia derrotá-lo. Contudo…

『Isso está claro, Minaris? Você está absolutamente proibida de usar seus poderes em público. Se você usá-los, então a magia de ilusão sumirá. Você irá expor as orelhas e cauda que servem como prova que você é uma coelhomem.』 (NT: Werewolf é lobisomem… wererabbit seria coelhomem… nossa, eu não fazia uma tradução dessas desde a lagarterra de Tate no Yuusha…)

『 … Bem, eu imagino o por quê disso? Nossa aparência é só um pouco diferente, no fim das contas…

“Não, NÃÃOO… não quero morrer. Eu não quero morrer!!” (NT: Ninguém te mandou ser idiota, Lucia)

(… me desculpe, Mãe!!) (NT: Porra, Minaris!)

Ao ver sua melhor amiga gritando, a outra garota disparou até o goblin enquanto se desculpava para sua mãe por não ser capaz de seguir as instruções dela.

“UAAAAA!!”

“Guyaa!?”

A voadora da garota atingiu o goblin diretamente em seu estômago.
Por ter uma diferença no físico, o goblin foi jogado voando ainda mais para o mato. O goblin havia sido pego despreparado pelo ataque, e foi incapaz de retalhar.

Teria sido este um goblin normal, o ataque de agora pouco teria ferido ele criticamente. Contudo, nem falando em ferir, isso mal havia sequer incapacitado ele. Apesar de ser um goblin com uma inteligência maior, ele veio ao entendimento que lutar de volta seria uma decisão ruim.

O goblin de gelo se ergueu do chão e recuou para mais fundo da floresta, dando às garotas um olhar odioso no que ele partiu.

“Lucia!! Você está bem!? Você está ferida?”

“Mi-Minaris-chan… isso…”

O estado tonto de Lucia havia rapidamente virado pânico ao ver sua amiga. A causa deste pânico era o par de orelhas de coelho que estavam no topo da cabeça da garota. (NT: AH MEU DEUS, ELA TEM ORELHAS FOFINHAS DE COELHO, COMO ASSIM!?)

Já para os beastmen, mesmo quando há algumas diferenças entre as tribos, suas habilidades físcias são geralmente meio altas. Isto também se aplica ao MP deles, ou poder mágico, também. Contudo, a qualidade do poder mágico deles difere dos humanos, no que o deles é fácil de ser expelido uma vez que ele deixa o corpo deles, mas não é adequado para ataques de longo alcance por causa de sua pobre eficiência. Apesar de que se eles se revestirem com uma leve ilusão, uma falha dessas não tem significância.

Já pela ancestralidade de fera desta garota, os coelhomens eram excepcionalmente talentosos quando se trata de magia ilusória. Ela esteve vestindo uma ilusão este tempo todo, para poder evitar quaisquer dificuldade. Contudo, se ela fosse liberar o verdadeiro poder de um beastman, então é inevitável que a ilusão fosse completamente desfeita devida à força do poder mágico emitido do corpo dela.

“Ah, hum, isto… me desculpe, Lucia. Eu fiquei quieta sobre isso por um longo tempo, até agora… por favor mantenha isto um segredo!!”

“Eh!? Ah, c-claro.”

A garota deu um sorriso de alívio em resposta ao aceno confuso da outra garota.

Somente depois de contar para sua mãe que ela não era mais um bebê, que a garota aprendeu sobre o porquê dos beastmen como ela terem que esconder sua identidade. Foi então que ela finalmente entendeu porque as pessoas deste país tinham desprezo contra beastmen, e tratavam qualquer um que vivia ali com desdém.

Até agora, as instruções de sua Mãe nunca haviam sido ignoradas. Mas agora ela estava confiando em sua melhor amiga para manter seu segredo de ser revelado. (NT: Oh, o que será que acontecerá?)

“Com isto, está feito.”

A magia ilusória que havia sido desfeita foi conjurada novamente para esconder suas orelhas e cauda das outras pessoas.
Apesar dela ter passado a maior parte de sua infância com sua mãe, 4-5 anos foram gastos sozinha.

“Então, vamos retornar para a vila. Apesar de nós não conseguirmos ter achado comida, se nós ficarmos aqui, nós com certeza encontraremos outro monstro, já que está ficando escuro.”

“Ah, você está certa. Vamos para casa.”

Elas retornaram para a vila mais tarde daquele dia, bem quando havia se tornado consideravelmente escuro do lado de fora.
As duas garotas foram duramente repreendidas pelo chefe da vila por entrarem na floresta. Contudo, a punição delas seria dada amanhã, então elas retornaram para suas famílias sem questões.

A garota informou sua mãe, Maris, que ela havia ignorado suas instruções. E ao divulgar a razão, ela se desculpou. Sua mãe, uma mulher doente que passava a maior parte de seu tempo na cama, riu perturbadamente e sorriu dizendo, “oh, você ajudou uma amiga”.

Apesar da mãe ter rido tristemente da garota por alguma razão, era de pouca importância. Contudo, tendo usado seus poderes de beastmen pela primeira vez em um monstro que também era um das espécies raras, a garota cansada dormiu bem aquele dia.

De noite, a garota sonhou em obter muitas das frutas para o inverno. Quando o sol da manhã subiu no dia seguinte, ela foi acordada e levada para o centro da praça da vila. Por alguma razão, a mãe da garota também havia sido levada junto com ela.

“Q-que? A punição que foi discutida ontem? Por que minha mãe…”

Um monte de aldeões estavam se reunindo enquanto as duas estavam sendo arrastadas, confusas. Enquanto a garota estava pensando no motivo de todos aqueles olhares espinhentos estarem direcionados para elas, por causa do que o ancião repentinamente anunciou, a mente dela ficou completamente vazia.

“Minaris, e Maris. É verdade que vocês duas são coelhomens?”

ANTERIOR | ÍNDICE | PRÓXIMO

Anúncios

5 respostas em “[NnY] Capítulo 13 – O Jeito que uma Certa Garota Fera foi Quebrada (1)

  1. Alguém mais aqui tem curiosidade pra saber o que existe na parte onde as orelhas humanas ficam nos humanos nos beastmans? Sempre que eu vejo ta coberto com cabelos ou pelas orelhas, tipo, não tem nada ou tem orelhas humanas ou as orelhas deles começam aí mas ninguém percebe… é um mistério

    Curtir

Deixe uma Resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s