Capítulo 44 – Ironia do Herói

Bom… aqui está o último WCC do ano, lembrando que teve um patrocinado no final de ontem, e depois de tantas desgraças deste ano, que o capítulo ajude a fechar bem o ano, mas vamos lá; Feliz Ano Novo (adiantado), magote o/ – Este capítulo foi traduzido de WCC Translation.


Capítulo 44 – Ironia do Herói

“Muito obrigada por tudo. Você realmente me fez me sentir muito mais tranquila.” (Rasanasha)

*acena* “Se sua condição piorar, você pode vir me ver a qualquer momento.” (Zeshald)

Yuusuke e cia. partiu de Rufk cedo de manhã e conseguiram retornar para Sanc Adiet logo antes do meio dia.

Rasanasha havia se separado do grupo antes deles terem chego no palácio, contudo Fonke, definitivamente tentando se aproximar da cantora da noite, se ofereceu para escoltar a mulher de volta para sua casa. Apesar de sua vontade, ele foi prontamente retornado para o assento de cocheiro por Vermeer.

Tendo obtido a permissão do capitão deles, Fonke e Vermeer pegaram a carruagem e levaram Rasanasha para casa, enquanto os outros membros haviam retornado para a sala de descanso dos cavaleiros. O capitão em si andou em direção do quarto de Violet para relatar para ela.

“Basicamente, você quer viajar para Nossentes para arranjar o remédio?” (Violet)

“Mhm.” (Yuusuke)

Violet estava ponderando sobre o relato de Yuusuke e sua sugestão para viajar para Nossentes, apenas mostrando uma expressão sutil em seu rosto.

Yuusuke ficou com sua cabeça para baixo, pensando que uma viagem dessas estava fora de questão no fim das contas. Contudo, Kreivol informou Yuusuke que a Corps do Deus da Escuridão está sendo considerada para uma nova missão de se tornarem embaixadores de boa fé em Nossentes enquanto entregavam a carta pessoal do rei para aquele país.

“Embaixador!? Mas… eu não tenho experiência nenhuma com esses deveres que tem implicações políticas tão sérias.” (Yuusuke)

“Beeem, nós só teremos que apontar uma pessoa adequada para ser o embaixador, então não devem haver problemas. Não é mesmo, Kreivol!” (Violet)

Pensando que Violet havia feito esta escolha para preservar a cara da Corps do Deus da Escuridão, Kreivol acenou, mostrando sua concordância enquanto admirava a princesa fundo em seu coração. Enquanto ele estava ciente do papel dele, esta cooperação entre ela e Yuusuke era um daqueles casos onde o insight preciso que Violet mostrava algumas vezes.

“Contudo, há algo me incomodando…” (Violet)

“?” (Yuusuke)

Violet parecia estar relutante em aceitar o plano de Yuusuke. Ela podia entender a razão de Yuusuke de arrumar remédio para a Doença da Podridão, contudo tinha algo que esteve incomodando ela, que ela não parecia ser capaz de colocar em palavras.

“Eu não sei como dizer isto, parece para mim que há algo a mais para tudo isto.” (Violet)

“Isso é algo como intuição feminina? Ou talvez você está com ciúmes da Rasanasha-san?” (Yuusuke)

Acertando a cabeça de Yuusuke com a nave voadora por tirar sarro dela, Violet estava pensando se enviar Yuusuke para Nossentes era ou não uma boa ideia. Afinal, Nossentes era suspeito de ser o mentor intelectual por trás dos últimos ataques.

“A propósito, a mansão do Yuusuke deve ficar pronta amanhã, certo?” (Violet)

Violet havia arrumado uma permissão para Yuusuke construir uma mansão para que ele fosse capaz de providenciar Sun com sua nova casa. Também parecia que ela conseguiu arranjar alguns dos fundos requiridos também.

Na hora, quando a transferência da propriedade da mansão fosse completa, as negociações para o apontamento do embaixador também deve ficar pronto, Kreivol também estava pensando sobre o cronograma de eventos importantes.

“Não seria correto apresentar algum tipo de recompensa para os trabalhadores da construção?” (Yuusuke)

“Se você realmente quiser, faça. Contudo, que tal você arrumar para eles algum licor forte envelhecido?” (Violet)

“Essa é uma boa ideia!” respondeu Yuusuke, e imediatamente saiu para comprar o dito álcool na cidade.

***

Tarde da noite, evitando observadores o máximo que ela podia, Rasanasha visitou a casa do conde. Ela relatou que, com sua doença como a razão principal, ela havia conquistado seu objetivo principal. O conde indicou que sua tentativa de persuadir o rei para considerar a Corps do Deus da Escuridão para deveres de embaixador também teve sucesso.

“Ótimo, a primeira fase parece ser um enorme sucesso.” (Shrek)

O conde também informou Rasanasha dos seus deveres para o próximo passo. Antes da Corps do Deus da Escuridão serem anunciados como a escolta para o embaixador de boa fé, ela devia ir para Nossentes e dizer à sua irmã mais nova sobre a continuação da missão.

“Eu espero que você continue à exceler em seus deveres.” (Shrek)

A influência da princesa Violet não podia alcançar além de Fonclanc. As ordens do conde eram claras, as “irmãs” devem seduzir Yuusuke com suas habilidades. Rasanasha mostrou um rosto levemente perturbado, pensando [“será que eu julguei errado o caráter do capitão da Corps do Deus da Escuridão antes?”].

“Rasanasha, que tipo de você se vê sendo?” (Shrek)

“Eh? Eu? Eu sou uma princesa cantora…” (Rasanasha)

“Isso mesmo, você foi concedida esta posição por mim. Você é minha espiã.” (Shrek)

“… Sim.” (Rasanasha)

O Conde continuou lendo o relatório. Ele, não Rasanasha, estava entre aqueles que tomavam decisões, logo ele continuou à advertir levemente Rasanasha para permanecer fiel às suas ordens.

“Você entende? Nós nãos precisamos de sua opinião. Apenas faça sua parte, realize as ordens e junte a informação. Quando eu lhe dar a ordem, comece a espalhar os rumores.” (Shrek)

“M-me perdoe, eu fui além dos meus deveres.” (Rasanasha)

“Você está perdoada. Contudo, sua habilidade nos negócios é aplaudível. Para uma princesa cantora guiar ele assim…” (Shrek)

Ela fez Yuusuke se preocupar ao usar a doença dela e até fez ele usar suas conexões com Zeshald. Além do mais, ela fez ele viajar para Nossentes para arranjar o remédio caro para o bem de todo mundo que possa ter a mesma doença no país. Para fazer Yuusuke querer ir para o outro reino por uma razão tão humana requereu habilidades verdadeiramente impressionantes.

“Para ser capaz de atiçar a simpatia dele assim. Você é melhor do que eu esperava.” (Shrek)

O Conde pensou que os rumores sobre Yuusuke seduzindo mulheres fossem majoritariamente verdade, e a pessoa em si iria sumir caso mais rumores assim fossem se espalhar.

***

No dia seguinte, Yuusuke levou Sun junta para ver a mansão completa. Os dois haviam acabado de chegar na entrada da mansão deles no distrito da classe superior.

A mansão era um prédio de três andares que tinha quase trinta salas, incluindo cozinhas, quartos de servos, quartos de convidados e afins. O terreno da mansão também incluía estábulos e um galpão de carruagem, larga o suficiente para alguém andar montado à cavalo.

“Isto não é um pouco grande demais?” (Yuusuke)

“Oh? Você está vendo sua mansão pela primeira vez, Yuusuke-san?” (Sun)

Parecia que Sun estava acostumada com a magnitude no que ela havia visto o progresso da construção em algumas ocasiões quando ela estava sendo arrastada por aí por Violet, toda vez que a princesa decidia andar pelo distrito em sua carruagem. Porque os deveres de Yuusuke normalmente tinham ele trabalhando nos distritos de classes inferiores, era a primeira vez dele vendo o local desde que ele decidiu pedir por uma mansão.

“Ainda assim… olhando para ela de novo, com certeza é grande, eh?” (Sun)
“Com certeza é. Que tal nós irmos e checarmos o interior do prédio por ora?” (Yuusuke)

No que os dois estavam se aproximando do portão, os guardas saudaram Yuusuke. Os guardas mostraram expressões levemente perplexas em seus rostos, contudo Yuusuke não prestou muita atenção para eles. Tendo recebido um monte de exceções e indulgências, Yuusuke se acostumou a ser tratado com olhares perplexos e questionadores pelos outros. Depois de andar um pouco, eles chegaram na enorme porta que era a entrada principal para a mansão deles. Depois de ter entrado na mansão, criados, que estavam enfileirados no salão principal, cumprimentaram eles de forma uníssona.

“Bem vindo, mestre-sama.” (Criados)

Eh!” (Yuusuke)

“Ah?!” (Sun)

“Não, não é nada.” (Yuusuke)

Tendo sido chamado de [mestre] fez as costas de Yuusuke coçaram, mas pensando de novo, um desenvolvimento assim era inevitável. A propósito, além dos porteiros e os criados, Yuusuke também tinha agora um cocheiro particular, e guardas, atarefados com a administração da mansão. Esta extravagância era verdadeiramente digna de alguém de uma família distinguida.

Fazendo uma nota mental para pedir para os trabalhadores mudarem o jeito que eles o chamam, Yuusuke começou a olhar ao redor pela mansão. Corredores se esticavam em ambos os lados e escadarias gêmeas podiam ser vistas no fim do salão. Não haviam esculturas, pinturas ou outras obras de arte que normalmente enfeitavam as paredes de prédios assim, e os ornamentos eram simplistas, mas a atmosfera no salão não era de forma alguma sem gosto. Apesar de ser incapaz de se acalmar por causa do estilo retrô que o salão passava, Yuusuke sentiu que as decorações estavam “certinhas”.

“Hmm…” (Yuusuke)

Repentinamente vendo olhares perplexos nos rostos dos criados, Yuusuke seguiu os olhos deles. Eles estavam todos olhando para Sun como um objeto indesejado.

Aparentemente, alguns criados não conseguiam compreender o fato que uma artless iria estar vivendo na mansão que eles estavam servindo. Eles começaram a cochichar entre eles (sem tentar esconder isso) sobre o rumor do capitão da Corps do Deus da Escuridão ter uma mulher artless como uma concubina pode ser de fato verdade.

Apesar deles terem algum tipo de relação com Zeshald, nos olhos dos criados, uma garota comum artless vivendo no palácio era inaceitável.

Independentemente, os dois eram favoritos da princesa e além disso ele estava sendo erguido como um herói e era o capitão da Corps do Deus da Escuridão. Nenhum dos cavaleiros do castelo ousaram se opor abertamente à ele por causa dos [anéis de artes divinas] que ele providenciava aos membros de todas corps de cavaleiros. Logo, naturalmente haviam pessoas que queriam se vingar dele.

A maioria dos funcionários foram empregados de fora do palácio, então eles não estavam acostumados à servirem Sun como oposto dos criados do palácio. A franqueza deles podia ser quase considerada como assédio.

Pessoas artless eram mais comuns hoje em dia, suas figuras podiam ser vistas realizando deveres de limpeza pelo distrito da classe média. Apesar deles poderem andar por quase toda a cidade sob o olhar de seus supervisores, isso não significava que os cismas do sistema de casta haviam se encerrado. Isso também podia ser dito sobre as convicções que cada pessoa carregava dentro de seus corações.

Até aonde concerne usuários de artes divinas comuns, os artless nem estavam dentro do sistema de casta.

Os oficiais do palácio que eram responsáveis pela seleção de pessoal pensou que a presença de Sun no palácio era quase que por um capricho da princesa deles e que o status dela não era nada além de pet da princesa. Eles não tinham ideia sobre a amizade mútua que essas duas garotas compartilhavam. (NT: Não preciso explicar pet, né?)

Logo, os oficiais do palácio que tinham dessatisfações contra Yuusuke selecionaram pessoas que não sabiam da garota artless no palácio e não avisaram elas da situação com antecedência. Eles esperavam que esses usuários de artes divinas comuns iriam mostrar para a garota artless o lugar dela neste mundo.

Os olhares dos servos tinham dúvidas, como [“Por que há uma artless num lugar desses?”]. Além do mais, eles estavam todos bem cientes do corpo de Sun enrijecendo. Originalmente aterrorizada pelo poder dos usuários de artes divinas, o coração de Sun rapidamente afundou sob os incompreensíveis olhares dos servos. O fato que Yuusuke pode partir em breve para Nossentes, deixando ela vivendo nesta casa sozinha, não ajudou a aliviar a ansiosidade dela.

Sem perceber o plano por trás de tudo isto, Yuusuke finalmente entendeu os olhares perplexos dos guardas dos portões e rostos dos criados. Ainda era cedo demais para pensar sobre quaisquer relações entre usuários de artes divinas e os artless.

“Uhm… Mordomo chefe-san?” (Yuusuke)

“Por favor me chame de Zafys, mestre.” (Zafys)

“Mmm… okay, Zafys.” (Yuusuke)

“Sim mestre, qual é o seu pedido?” (Zafys)

Além de dar ordens ao mordomo chefe, Yuusuke também ordenou que chamassem todos os guardas do palácio para dentro. Quando todas as pessoas dentro do terreno da mansão se reuniram dentro, Yuusuke havia se dirigido à eles com um discurso introdutório. Contudo, era claro que ele tinha que reconsiderar sobre o que ele deveria dizer durante seu discurso.

“Sun é uma preciosa… amiga, que Zeshald colocou sob meus cuidados. Ela é como família para mim.”
“Eu sei que alguns de vocês tem preconceito contra os artless. Eu não estou culpando vocês por isso. Contudo, este preconceito não será tolerado em minha casa.”
“Tal negatividade não é benéfica para nenhum dos envolvidos. Aqueles que não reconhecem Sun como membro desta casa, fale agora.” (Yuusuke)

Disse Yuusuke no que ele cumprimentou os criados e guardas de sua nova casa. Segurando na borda do uniforme da Corps do Deus da Escuridão, e seus ombros tremendo levemente, Sun estava sendo levemente abraçada pelo capitão da corps. Criados e guardas empalideceram, vendo a raiva do herói de Gearhawk e Deernook. O silêncio de um túmulo caiu no salão.

“Ah~ então é assim… Então eu espero que não hajam mais discussões sobre isto.” (Yuusuke)

Vendo as cabeças de seus criados abaixadas em vergonha, Yuusuke coçou sua cabeça, pensando que ele foi um pouco duro demais, e afrouxou seu tom.

“Deixem-me me corrigir, eu estarei aguardando aqueles que tem algo para dizer nesta tarde aqui na mansão. Todos estão dispensados.” (Yuusuke)

Tendo terminado sua conversa, ele se sentiu como um gerente ou CEO se introduzindo para os novos funcionários. Em seguida, Yuusuke convidou Sun para dar um passeio pela mansão com ele. O mordomo chefe correu até ele para poder guiá-lo pela casa, mas Yuusuke interrompeu ele. Balançando sua mão, e ordenou para “confirmar a determinação dos outros criados”. No que ele deixou a sala, ele manteve contato visual com todos os criados que ele passou em seu caminho.

O mordomo chefe silenciosamente acenou sua cabeça, seguindo pelas ordens do mestre.

***

“Ainda assim, este quarto escondido é esplêndido. Olhe aqui.” (Yuusuke)

Yuusuke inspecionou a mansão usando seus poderes de customização. Não tinha como uma passagem escondia e um quarto escondido desses, que não estavam presentes no plano original da casa, escapar da atenção dele. Yuusuke fechou devidamente esses “buracos” com seu poder de customização, enquanto adicionava uma pequena armadilha própria dele.

“… Uhm, Yuusuke-san?” (Sun)

“Mh? Você se acalmou um pouco?” (Yuusuke)

“Sim… Obrigada.” (Sun)

“Não se preocupe. Ótimo, agora vamos dar uma olhada no segundo andar.” (Yuusuke)

Yuusuke e Sun seguraram as mãos o tempo inteiro em que eles estiveram andando pela mansão.

***

No fim, nenhum dos criados deixou a mansão.

2 respostas em “Capítulo 44 – Ironia do Herói

  1. Ah! Finalmente uma novel sua a qual eu acompanhei até os dias de hoje, eu estou lendo desesperadamente suas novela a 2 meses, óbvio, não podia deixar tarde no yuusha de fora, bom yoroshconegaishimasu… ou algo assim

    Curtir

Deixe uma Resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s