Capítulo 218: A Rainha das Fadas, um Reencontro

Eu fiz mais coisas por fora do que esperava, era para ter terminado bem mais cedo este capítulo… mas aqui está ele, vamos lá – Este capítulo foi traduzido do Arsl31.


Capítulo 218: A Rainha das Fadas, um Reencontro

Cabelo azul transparente que alcança o chão. Cabelo que brilha junto com os raios do sol. E algo que parece uma coroa foi colocada no topo.

As várias asas abertas nas costas que brilham numa cor de arco-íris, seriam apenas confundidas com joias para aqueles que olham seu glamour. Junto com sua figura fina, ela é completamente como uma deusa emergindo de um livro de histórias.

Era certamente a Niña que ele havia encontrado antes.

Ela estava segurando um cajado numa mão, com um anexo estilo-esfera com artigos estilo-penas que pareciam crescer da ponta.

“D’outro mundo! D’outro mundo! A quanto tempo! A quanto tempo!” (Orun) (NT: Otherworlder = D’outro mundo, pelo menos para as fadas…)

Como de costume, a fada de cabelo vermelho voando ao redor de novo e de novo acima da cabeça de Hiiro sorria cheio de alegria.

“Orun, eu entendo seus sentimentos depois de uma longa ausência, mas você está diante do Rei dos Espíritos, sabia?” (Niña)

“Ah! Oh não! Oh não!” (Orun)

Colocando suas mãos na boca depois de um fofo ‘Ah!’ ele voou agitadamente e voltou para Niña.

“Hohoho, que criança enérgica.” (Hoozuki)

“Ufufu, enérgica demais que é preocupante.” (Niña)

“Imagine, ser vigoroso é o melhor. Umu, a quanto tempo, Niña.” (Hoozuki)

“Igualmente, eu me desculpo por ser capaz de nos encontrarmos somente numa forma dessas.” (Niña)

Vendo a figura de Niña curvando sua cabeça educadamente, parece que Hoozuki é de uma hierarquia mais alta.

“Hohoho, não há o que se fazer. Você já é uma rainha. Diferente das outras vezes, você não está mais numa posição onde você pode vir e ir o quanto você queira.” (Hoozuki)

Hoozuki disse enquanto sentia um pouco de arrependimento.

(Parece que eles são conhecidos… e mais próximos do que eu pensei…)

Eles não estão num relacionamento entre governantes de suas raças, mas muito mais do que isso, pela interação deles. As relações deles são profundas o suficiente para fazer Niña ir e vir para a Floresta dos Espíritos nos velhos dias ao menos.

“Está diferente. A quanto tempo, Hoozuki-sama, e também… Princesa.” (Niña) (NT: PELO AMOR DE DEUS, ALGUÉM FALA O NOME DELA LOGO!)

Mas quando Niña encarou ela, a princesa parecia estranha por um instante, mas ela ficou séria imediatamente,

“Sim. Faz bastante tempo, Niña-sama.” (Celeste)

“………” (Niña)

“Ojii-san, eu tenho outros assuntos para atender depois disto. Com licença, por favor.” (Celeste)

“Princesa!” (Hoozuki)

A princesa ignorou as palavras de Hoozuki e rapidamente fugiu.

(O que há com ela? Sendo tão fria e distante do nada…)

Com a diferença de atitude da princesa, Hiiro sentiu um forte senso de incongruência. O rosto de Niña parecia demonstrar tristeza também.

“… Me perdoe por isso. Mesmo quando ela tem uma atitude dessas, aquela garota não quer ofender…” (Hoozuki)

Niña sorriu e balançou sua cabeça em desaprovação.

“Eu não me importo, porque eu também entendo os sentimentos dela.” (Niña)

“É assim então…” (Hoozuki)

“Mas…” (Niña)

“Hmm?” (Hoozuki)

“Nossa… você invocou Nia do mesmo jeito como no passado, certo?” (Niña) (NT: Eu acho que estão falando da princesa…)

Então você chamou ela de Nia antes… (NT: Ou não, foda-se!)

Sentindo que o ar estava ficando ruim, Nikki e Camus olharam para Hiiro como que implorando por ajuda.

Enquanto isso,
“Hey mãe, hey mãe!” (Orun)

Tendo mudado o humor do nada, a animação que não combina com seu tamanho, Orun.

“O que é, Orun?” (Niña)

“O d’outro mundo! O d’outro mundo!” (Orun)

Graças ao sorriso brilhante dela, o rosto de Niña que estava deprimido um pouco antes reganhou sua antiga beleza.

“Fufufu, você está certa. Hoozuki-sama, muito obrigada por conectar o portal para reunir com ele de novo.” (Niña)

“Hohoho, não ligue para isso. Como a princesa, você já é uma neta para mim.” (Hoozuki)

No que ela virou seu olhar para cá, Niña deu um sorriso vibrante.

“Eu sei que há várias questões que você gostaria de perguntar, mas a quanto tempo, Hiiro-san.” (Niña)

“… eu esqueci.” (Hiiro)

“Eh?” (Niña)

“Parando para pensar nisso, quando você me deu aquela massa de poder mágico, você disse. Que era algo que me conectará ao Jardim das Fadas. Então era algo assim.” (Hiiro)

Certamente, ele havia entrado em contato com o Rei dos Espíritos deste jeito.

“Minhas desculpas. No seu caso, eu acho que mais cedo ou mais tarde você seria capaz de entrar na Floresta dos Espíritos alguma hora em breve, então eu confiei à você meu poder.” (Niña)

“Então o fato que eu vim aqui era para me usar como um transportador… você percebe isso, certo?” (Hiiro)

Ao dizer isso com desgosto, ela abaixou sua cabeça apologicamente.

“Eu verdadeiramente sinto muito. Mas para eu vir aqui de novo, este método era o mais certo. Por usar Hiiro-san, eu só posso me desculpar com todo meu coração.” (Niña)

Então, ele perguntou porque era necessário fazer algo assim.

Um longo tempo atrás, o Jardim das Fadas e a Floresta dos Espíritos estavam numa distância onde você podia facilmente ir e vir. Mas num certo dia, uma fenda repentinamente apareceu e engoliu os dois.

Depois que todo mundo ficou ciente, eles estavam como se tivessem sido colocados num ambiente onde quando eles alcançavam uma distância, eles não conseguiam passar por ela, como se estivessem presos.

“… Ambiente? Que tipo de ambiente?” (Hiiro)

Aparentemente, essa coisa causou uma metástase, mas ele estava mais interessado no ‘ambiente’ que ela mencionou.

“Hiiro-san, o Jardim das Fadas e a Floresta dos Espíritos, você sabe onde eles estavam antes?” (Niña)

“… onde?” (Hiiro)

“… no fundo do mar.” (Niña)

“……… Ha? No fundo do mar…?” (Hiiro)

Ele recebeu uma resposta estranha de volta. Para o ambiente em questão, dentro de uma floresta onde alguém se perderá, ele pensou que estivesse escondido num deserto desconhecido, mas para ser no mar excedia as expectativas dele.

“… mas respirar aqui é possível, não é?” (Hiiro)

Sim. Ele consegue respirar aqui normalmente. Logo ele dificilmente podia pensar que isto está no mar.

“Para isso, cada respectivo governante… eu mesmo aqui, e Niña lá colocam uma barreira mágica como proteção.” (Hoozuki)

“É mesmo?” (Hiiro)

“Sim. Nesse caso, no meio tempo, ainda é seguro mesmo que esteja separado do Jardim das Fadas, mas como esperado, vir aqui por meios normais apenas leva tempo demais.” (Niña)

Eles precisariam de uma proteção razoável para aguentar os demônios ferozes e a pressão do mar no fim das contas. O que quer que ele diga ao menos, o lugar chamado mar é além da imaginação dele.

“Logo, para você poder vir aqui, você não tinha outro jeito senão me usar como uma ponte, estou errado…?” (Hiiro)

Era entendível. Este método certamente resolve o problema se Hoozuki fosse invocar ele aqui.

“Contudo, algo me preocupa.” (Hiiro)

“O que?” (Hoozuki)

Direcionando seu rosto para Hoozuki, ele perguntou.

“Por mais de meio ano, por que você não me informou? Você podia ter me invocado mais cedo do que isto.” (Hiiro)

Se fizesse, então Niña deveria ser capaz de ter vindo mais cedo.

“Há condições.” (Hoozuki)

“Condições?” (Hiiro)

“Sim, você, lembre-se da vez quando você entrou no Jardim das Fadas.” (Hoozuki)

No que ele disse isso, Hiiro recordou o que aconteceu daquela vez.
Viajando com Arnold e Muir, ele estava buscando por um lugar aberto para praticar sua Magia das Palavras, então notou um objeto emitindo luzes estranhas num morro levemente elevado.

Isso era Orun e os outros. Então em seguida, por alguma razão uma fenda no espaço se abriu entre eles, e ele foi convidado para entrar dentro disso.

“Para lhe dizer a verdade, para entrar no sub-espaço, você precisa da permissão de uma fada ou espírito.” (Hoozuki)

“Bem, isso é óbvio.” (Hiiro)

“Contudo, isso significa que você tem que encontrar eles em primeiro lugar.” (Hoozuki)

“…? Isso não é óbvio? Você não pode receber permissão se você não pode falar com eles desde o começo.” (Hiiro)

“Eu suponho, mas descobrir o Jardim das Fadas que é uma coincidência, junto com sua disposição de ver os Espíritos, isso é tudo possível porque vocês encontrou eles.”

“Hmm… agora que você mencionou isso… não, espera. Eu encontrei eles?” (Hiiro)

Certamente, ele havia passado por Rarashik, que era capaz de materializar Yukiouza, também conhecida como Yuki-chan.

“Você encontrou Yuki, certo? E por isso, através daquela criança, eu soube da sua localização pela primeira vez.” (Hoozuki)

De acordo com a história dele, você não pode simplesmente fazer aquela fenda pelo espaço, aparentemente. O limite é dito sendo apenas uma vez no primeiro mês. (NT: Uma vez por ano, no equivalente à Janeiro, aparentemente)

“Depois de ouvir a história de Yuki, eu estava para abrir a fenda, mas você já tinha ido embora a muito tempo naquela hora.” (Hoozuki)

No que ele não ficou tanto tempo assim no [Reino das Feras ・ Pasion], a possibilidade de terem se desencontrado é enorme.

“Sim, sim, eu também fui lá daquela vez, mas quando eu cheguei, eu não conseguia te achar em qualquer lugar.” (Tenn)

O macaco que havia ficado quieto até agora… Tenn, disparou uma reclamação. Mesmo que, porque ele não sabia de algo assim, não tinha o que fazer por ele.

“Devido à isso, ele ficou naquela terra por um tempo, e se ele topasse com você, eu disse para ele fazer um contato imediatamente, então finalmente encontrando você hoje.” (Hoozuki)

“Isso também é por aquele coelho de neve?” (Hiiro)

“Hohoho, nem um pouco, ei, não vá aumentar o preço de um calçado para um homem descalço aqui.” (Hoozuki) (NT: Tá, isso obviamente é uma expressão, que significa… não aumente a culpa de alguém culpado? Algo assim? Não há notas sobre isso.)

Hoozuki disse, e virando seu olhar para seus pés, um cachorro estava lá antes de qualquer um ter notado… não, um gato ruivo estava quietamente encarando no lugar dele.

“… o que há com este gato?” (Hiiro)

“Você não lembra?” (Hoozuki)

“……… Ah!?” (Hiiro)

Ele foi tomado de espanto no que a ideia apareceu na cabeça dele. Se ele se lembrava corretamente, ele certamente encontrou com este Espírito antes, ou aliás, lutou pau a pau com ele antes…

“N-não me diga… você é aquele leão?” (Hiiro)

“Sim, sou eu. O nome é Cissie. Aquele poder seu daquela vez, este aqui sentiu a maior admiração disso.” (Cissie)

Apesar de você poder pensar nisso como uma outra pessoa falando num tom excessivamente formal, mas esta coisa chamada Cissie pode ser o mesmo gato que Leowald havia manifestado.

Hiiro tomou distância e observou com cuidado por reflexo. Por quê? Porque ele quase experienciou estar no meio do caminho da morte com esta coisa uma vez. Antecipando a reação dele, Cissie começou a falar.

“Por favor não ligue pelo que aconteceu daquela vez. A partida foi lutada de forma justa e honesta. Este aqui não mantém qualquer rancor por isso.” (Cissie)

Dizendo isso com olhos sérios, podia ser julgado que ele estava dizendo a verdade.

(M-mas para aquele lá ser aquela fera estupidamente grande de antes…)

Surpreendentemente, agora ele não é nada além de um gato fofo. Não é estranho se alguém fosse afagar sua cabeça e pescoço por impulso. Qualquer amante de cão ou gato certamente achará isso irresistível.

“De acordo com a história de Cissie, eu ouvi que você estava no País Demônio, então eu fiz Tenn ir lá.” (Hoozuki)

“Entendo. Então essa é a razão para você ter me atraído até a floresta e me guiado todo o caminho até aqui.” (Hiiro)

“Sim, isso mesmo. Logo, por favor perdoe minha pequena travessura naquela hora. Deste fofo e brincalhão macaco, macaco travesso para encurtar!” (Tenn)

Mas, no que ele estava fazendo um teehee sem nenhum pouco de reflexão,

“Nós falaremos sobre isso mais tarde… Muito bem então… Tenn?” (Hiiro)

Uma tremenda sede de sangue foi direcionada para Tenn, fazendo o pequeno animal sacudir e tremer em medo de novo.

“De fato, se não fosse por você, então nós não seríamos capazes de invocar ele aqui hoje. Mas… Tenn, você tem um débito a pagar para a Rainha das Fadas, isso está claro?” (Hoozuki)

“Sim. Muito obrigado.” (Tenn)

Ele abaixou sua cabeça aliviado. Talvez ele tenha pensado na possibilidade de receber punição ou alguma coisa e estava se sentindo desconfortável sobre isso.

“… Hm? Espere um segundo, agora que você mencionou isso, aquele pervertido… eu encontrei outro espírito também, sabia?” (Hiiro)

As palavras de Hiiro juntaram os olhos de todo mundo.

Anúncios

9 respostas em “Capítulo 218: A Rainha das Fadas, um Reencontro

Deixe uma Resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s