Capítulo 215: Convite de uma Aparição

Lembrando que este é o segundo KnW que fiz recentemente, então leiam o outro antes! Com isso estamos acompanhando de novo em inglês, e agora tenho outro WCC patrocinado para fazer, se eu ainda ter o pique pelo patrocínio, mas vamos lá! – Este capítulo foi traduzido do Arsl31.


Capítulo 215: Convite de uma Aparição

Naquela hora quando ele pegou aquele repulsivo macaco ladrão com tanto esforço, uma fissura se abriu no chão do nada, e de lá uma cobra branca havia aparecido.

(Mas que…? Primeiro um macaco, então uma cobra?)

No que ele pensou que pudesse ter um zoológico em algum lugar, a próxima cena surpreender ele ainda mais.

“Eu já não falei que está tudo bem? O Ojii-sama disse para convidar ele educadamente, certo?” (Celeste) (NT: Usar aqui para justificar, os nomes que estou usando recentemente até aparecer um nome de verdade são de acordo com o gosto, não se prendam neles)ouvidos, mas aquela cobra acabou de falar? Com o macaco? E também,

“Bem, é porque provocar esse cara para levar ele aqui é muito mais legal~” (Harambe)

… o macaco falou.

Eu estou num conto de fadas em algum lugar? Ele pensou por reflexo, mas aqui é um mundo paralelo e há também beastmen aqui. Apesar dele ter assumido que era essa situação, é ainda um belo choque ver isso pela primeira vez.

“Para você ali, eu gostaria de me desculpar pela idiotice cometida por este aqui.” (Celeste)

A cobra moveu sua cabeça até as costas como um arco.

“I-idiotice…” (Harambe)

No que o macaco estava tendo um rosto com câimbras,

“Hey, você se desculpe também.” (Celeste)

“Eeh~” (Harambe)

“…… eu irei contar ao ojii-sama, sabia?” (Celeste)

“Me desculpe pelos atos rudes que eu causei.” (Harambe)

O macaco endireitou suas próprias costas e se desculpou magnificamente. Este ojii-sama é realmente assustador assim?

“Este tolo diz a mesma coisa, também. Que tal, colocar o pique aqui?” (Harambe) (NT: Eu estou confuso aqui, mas eu acho que ele quis dizer algo como colocar um fim na confusão, no caso colocar um pique, que é um tipo de lança e tal)

Ele normalmente recua desses tipos de coisas desde um longo tempo atrás. Mas mesmo assim, ele está em seu limite por entender esta situação estranha.

“…… eu sabia… você é um 『Espírito』, não é?” (Hiiro)

Quando ele disse isso, os olhos da cobra se arregalaram, como que dizendo ‘bom trabalho!’, então imediatamente cerrou eles, encarando como se estivesse observando Hiiro.

“Hee, como alguém esperaria, para ser capaz de distinguir Niña-sama apenas pela aparência.” (Celeste) (NT: A cobra não é a Niña, pelo que entendi lendo o resto do capítulo, então fica com o nome provisório ainda)

“… huh?” (Hiiro)

Palavras escaparam como se isso fosse natural. Ela falou palavras que não podem ser ignoradas agora mesmo. Niña. Era o nome da rainha das Fadas.

Antes dele colocar os pés no continente dos beastman, no meio da noite, ele viu fadas brincando no morro. Naquela hora, ele notou a existência delas, e por uma estranha coincidência ele alcançou a casa das fadas, o 【Jardim das Fadas】 onde ele encontrou Niña e teve algumas conversas bobas por um tempo, também.

“Perdoe minha rudez, mas aqui está uma coisa que eu gostaria de pedir de você. Posso?” (Celeste)

“… Eu recuso.” (Hiiro)

“Ah, qual é!” (Harambe)

O macaco grunhiu pela recusa de Hiiro.

“Mesmo que você me leve para o estranho reino das [fadas] eu ainda tenho alguns assuntos para resolver. Além do mais, me arrastando até este lugar acima de tudo, quem não ficará irritado com isso?” (Hiiro)

Ele relutantemente conjurou 『還元』 (Retornar) e a prisão feita de terra retornou ao solo.

“Kiki?!” (Harambe)

O macaco, que estava tremendo selvagemente em impaciência pulou na abertura que se abriu na gaiola e aterrissou em seus pés.

Então, Hiiro foi na frente do macaco e esticou sua mão, dizendo para ele passar seus óculos. Apesar do macaco entregar sem vontade enquanto fazia biquinho,

Bonk!

“Kii?! P-pelo que diabos foi isso!?” (Harambe)

Sim, quando ele recebeu seus óculos de volta, Hiiro abaixou seu punho naquela pequena cabeça dele imediatamente.

“Para erguer uma mão num inocente espírito, isto é abuso de espírito~!” (Harambe)

Ele colocou alguma distância de Hiiro enquanto segurava sua cabeça em dor.

“Cala sua boca. Minha preciosa <Fritas Fuwafuwa> se foi por sua causa, e por você me arrastar neste problema…… fique grato que acabou só com isso. Normalmente, eu teria lhe queimado até carvão por essas horas.” (Hiiro)

O rosto do macaco ficou pálido no que ele ouviu as palavras dele. A cobra, por outro lado, jogou um grande suspiro no que observava o espetáculo dos dois.

“Podemos começar agora?” (Celeste)

Com olhos que pareciam cansados desta merda, ele virou seu olhar para a cobra.

“Para aquele tolo ali, ele certamente receberá punição mais tarde, então você pode ouvir meu pedido?” (Celeste)

“Eu não te falei? Eu recuso. Você não entende, não é sua cobra patife?” (Hiiro)

“Oh, patife, você diz? Ainda que eu tenha essa aparência, eu sou uma mulher, sabe.” (Celeste)

“Espíritos possuem gênero? Interessante. O que, você faz algo como polinização cruzada ou algo assim para deixar descendentes para trás, como naqueles livros que eu li?” (Hiiro)

“Ah, há um pequeno erro aí. Até nós espíritos possuímos gênero, mas isso só é limitado aos de alto ranque. Além do mais, para nós, deixar descendentes é opcional.” (Celeste)

O fato que eles deixam descendentes é honestamente impressionante. Eu não pensei que todos aqueles escritos nos livros estavam corretos, mas se veio da pessoa em questão, então eu posso logo concordar.

Além do mais, pelo que eu ouvi recentemente, então esta cobra é uma existência de alto-ranque. Apesar que eu não sei do macaco.

“Ah, a propósito, eu sou um homem!” (Harambe)

Apesar de eu não ter perguntado, isso combina com ele aparentemente. Mas para dois espíritos de alto-ranque virem à um lugar assim…… isso pode ficar problemático novamente.

“Bem, seu gênero não importa. Oy, cobra branca. O que quer que você queira dizer, já é hora do meu jantar. Se vocês derem para perturbar minha refeição, vocês vão direto para minha prisão, entenderam?” (Hiiro)

Ele apontou seus indicadores de ambas as mãos como uma ameaça, mas a cobra não mudou de expressão. Apesar que o macaco recuou por um passo.

“Minha nossa, você está com fome? Perfeito. Eu tenho arranjada uma recepção neste lugar.” (Celeste)

“…… Recepção?” (Hiiro)

“Sim. Como você adivinhou, eu quero que você venha até nossa casa.” (Celeste)

“… eu sabia.” (Hiiro)

Pelos arredores ainda estarem vazios, talvez ele seja transportado com as fadas assim como da outra vez.

“Eu não sei se isto será capaz de lhe satisfazer, mas por ora, eu tenho preparado um serviço de fada mais ou menos.” (Celeste)

“…… serviço?” (Hiiro)

Aquela palavra puxou os fios do coração dele.

“Sim. Contudo, há comida assim que só existe no outro lado… então, que tal?” (Celeste)

Ela sorriu, implicando para ele provar. Apesar de ser enervante para ele agir de acordo com a vontade dela, há os pratos de boas vindas dos Espíritos que preocupam ele. Ele quer comer isso de todas as formas.

Mas se eu seguir eles como está, eu preocuparei Nikki e os outros que estão atualmente procurando por mim. É muito provável que isto se tornará um grande problema se eu desaparecer assim.

Eu não sei quanto tempo eu ficarei do outro lado, mas o que acontecerá se Nikki fosse dizer para a Maou Eveam que Hiiro desapareceu……?

“… Eu irei.” (Hiiro)

“É mesmo? Então de uma vez…” (Celeste)

“Com uma condição.” (Hiiro)

“… e o que seria ela?” (Celeste)

“Eu tenho dois companheiros. Permita eles irem juntos comigo, então eu seguirei.” (Hiiro)

“……” (Celeste)

Os olhos deles se encontraram, e continuaram nesse estado por um tempo. Mas nenhum queria ceder. Percebendo tal situação, a cobra cuspiu um grande suspiro.

“… Tudo bem. Traga-os.” (Celeste)

Então, através da Magia das Palavras, ele guiou Nikki e Camus  até a localização dele. No que eles viram os animais falantes, os olhos dos dois brilharam fascinados.

“Então, vamos? Mas por favor não façam nada estranho…… bem, no seu caso isso será uma exceção.” (Celeste)

Um portal negro apareceu no ar, e eles entraram como estavam.

“Então, devemos ir?” (Harambe)

O macaco empurrou as costas de Hiiro por trás. Apesar de Hiiro não sentir qualquer desconforto porque ele já entrou num espaço idêntico antes, Nikki e Camus avançaram polegada por polegada, obviamente se sentindo nervosos.

Mas por uma fração de segundo de passar através, as três pessoas só conseguiam pensar em admirar o espetáculo que se estendeu até os olhos deles.

É um mundo de fantasia.

Partículas brilhantes como joias dançavam como neve. Um grande arco-íris se formou no céu, com uma presença que deixava você ansiar a ilusão de andar no topo dele.

Os arredores estavam cheios de florestas, e as folhas que cresciam em abundância nas árvores tinham belas formas de cristais de neve. Como se fosse natural para os três ficarem sem palavras neste magnífico espetáculo.

“Bem vindos à nossa casa, a [Floresta de Espíritos].” (Celeste)

Anúncios

5 respostas em “Capítulo 215: Convite de uma Aparição

Deixe uma Resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s