Capítulo 19 – Memória/Besta Negra

Amanhã cedo eu posto o capítulo 20 – Este capítulo foi traduzido do Baka-Tsuki: http://bit.ly/1vqbrlf


Capítulo 19 – Memória/Besta Negra

00:17

Em apenas outros 17 minutos, a onda antecipada irá surgir.
Essa notícia já deve ser bem conhecida pela cidade.
Esquadrões de cavaleiros e aventureiros foram equipadas e prontos para despachar assim que precisar, enquanto os civis se barricaram dentro das próprias casas. (NT: cansei, agora vou manter ‘knight’, ficar mudando pra ‘cavaleiro’ fica estranho pra mim)
Como eu era um herói, eu não podia nem tentar escapar do surto da onda devido ao poder da ampulheta.
O mesmo era aplicado aos membros do meu grupo; era provável que Raphtalia seria teleportada junto comigo.

“É quase hora, Raphtalia.” (Naofumi)
“Hai!” (Raphtalia)

Raphtalia acenou com uma resposta estranhamente excitada e entusiasmada.
Bom, eu não soltei nenhuma objeção já que era uma bênção ter ela tão motivada.

“Naofumi-sama… eu posso falar com você por um momento?” (Raphtalia)
“Hm? Isso deve ser tranquilo, qual sua preocupação?” (Naofumi)
“Ah não, de algum jeito eu me senti tão motivada já que nós vamos estar lutando contra a calamidade logo.” (Raphtalia)

… Por que ela estava murmurando isso e levantando sua própria death flag?
Eu irei proteger ela já que será um saco se ela morresse… Pera, isso era tão diferente de mim; eu estava sendo influenciado por muito anime e mangá.
Apesar que esse mundo era como um jogo, ele definitivamente não era um. Esse mundo era real.
E olhe para isso, aqueles heróis de merda tinham um equipamento tão de ponta. Eu nem sabia se minha armadura era forte o bastante ou não.
Era provável que eu iria sofrer alguns ferimentos.
Seria ótimo se essa batalha acabar apenas com alguns ferimentos, já que eu posso até perder minha vida.
Se isso fosse acontecer, o montão de lixo desse país iria celebrar na visão do meu cadáver.

— Um final digno de um criminoso.

… Vamos parar com isso. Se eu continuar pensando desse jeito, eu não serei capaz de lutar.
Para que eu sobreviva por outro mês.

“A verdade é que… eu fui escravizada por causa do surgimento da primeira calamidade.” (Raphtalia)
“… É mesmo?” (Naofumi)

Certamente, eu pensei que tinha uma leve chance desse ter sido o caso.

“Eu costumava viver em uma região remota deste país. A vila demi-humana que eu cresci focava em agricultura e cultivo da terra; era também o ponto de surgimento da primeiríssima onda.” (Raphtalia)

Os pais dela eram gentis e todo mundo na vila viveu pacificamente.
Contudo, uma grande horda de Soldados-Esqueletos vieram de dentro da onda de desastre.
Os Soldados-Esqueletos só tinham um grande número no começo, então os aventureiros dentro da redondeza foram capazes de conter eles.
Mas as bestas e besouros gigantes continuaram transbordando em quantidades massivas. Por causa disso, a linha de defesa logo foi quebrada.
Então um preto escuro, Cérbero de três cabeças apareceu. E os aldeões foram esmagados como se eles fossem gomos selvagens indefesos.

Como a vila da Raphtalia estava desolada além de reconhecimento, os aldeões desesperadamente tentaram escapar.
Infelizmente, os monstros eram impiedosos; eles assassinaram todo mundo como se fosse o melhor esporte do mundo.
E como todos os outros, os pais da Raphtalia pegaram ela e também fugiram até que finalmente alcançaram a borda de um penhasco que dava ao mar.
Sabendo que escapar era inútil, ambos os pais olharam para Rahptalia e sorriram.
Eles não tinham usado aquele momento para escapar, mas para gentilmente acariciar a cabeça assustada dela no lugar.

“Raphtalia… de agora em diante, você com certeza vai encontrar você mesma em uma situação terrível. Você pode até morrer disso.” (Pai da Raphtalia)
“Mas você sabe de uma coisa, Raphtalia? Nós dois queremos que você continue vivendo… então por favor nos perdoe pelo nosso egoísmo.” (Mãe da Raphtalia)

Mesmo que ela fosse nova, ela sabia no coração dela que seus pais só estavam tentando manter ela segura.

“Nãão! Mamãe! Papai!” (Raphtalia)

Don!
O único e maior desejo deles era que Raphtalia vivesse, então eles empurraram ela do penhasco.
Enquanto ela estava caindo, Raphtalia testemunhou a cena dos seus pais sendo atacados pelos monstros viciosos.

Raphtalia caiu no mar com um grande splash, ainda ela miraculosamente sobreviveu e foi lavada até terra firme perto da praia.
Depois de recuperar seus sentidos, Raphtalia levantou e retornou para o penhasco em busca de seus pais.
Por aquela hora, os monstros já tinham sido subjugados pelos aventureiros e esquadrões de knights.
Andando pelo mar de corpos com grande dificuldade, ela conseguiu localizar seus pais.
No lugar tinha uma vasta quantia de sangue… e pedaços de carne espalhados por todo lugar.
Percebendo a morte de seus pais, Raphtalia caiu no chão como se alguma coisa funda dentro dela tivesse estourado para fora.

“Nããããããããããããããããããããããããããããããããããããoooooooooooooooooooooooooooo!” (Raphtalia) (NT: tipo isso)

Então ela andou por aí sem rumo, soluçando e desejando sinceramente pelo calor dos seus pais numa tentativa de escapar da realidade.
E antes que ela percebesse, ela já havia sido emprisionada dentro daquele canto escuro da tenda de circo.
Aquele lugar… era comparável ao inferno.
Todo dia, alguém era comprado ou retornado.

Raphtalia estava dentre esses casos.
No começo, eles consideraram fazer dela uma serva. Um nobre bem de vida comprou ela e tentou ensinar para ela várias coisas.
Mas a tosse já era problema o suficiente, e ela também gritava como uma banshee de noite para completar.
Logo, ela foi diretamente ressarcida de volta para a tenda no dia seguinte.
O próximo comprador também tentou ensinar Raphtalia várias coisas, mas novamente ela foi retornada imediatamente no dia seguinte.
O dono antes de mim foi o comprador mais cruel de longe.
Eles compraram ela uma noite, chicotearam ela pela noite inteira e revenderam ela, machucada e ferida, na manhã seguinte.
Eu não estava nem um pouco surpreso deste país ter psicopatas que iriam ter prazer em causar dor nos outros.
Ela foi atacada por doença, seu coração estava quase quebrado dos pesadelos recorrentes, e ela estava acostumada em ser abandonada incontáveis vezes… isso foi quando ela foi comprada por mim.

“Você sabe, eu estou muito feliz de ter te encontrado, Naofumi-sama.” (Raphtalia)
“… É.” (Naofumi)
“Você foi aquele que me ensinou como viver uma vida decente no fim das contas.” (Raphtalia)
“… É.” (Naofumi)

Eu respondi distraído a história da Raphtalia com um tom mecânico.
Isso não importava muito de qualquer jeito.

“Por esse motivo, por favor me permita uma chance. Uma chance de confrontar essa onda.” (Raphtalia)
“… É.” (Naofumi)
“Com isso dito, eu farei meu melhor!” (Raphtalia)
“Ha… ha… dê o seu melhor.” (Naofumi)

Até eu achei que eu estava agindo um pouco cruel demais.
Contudo, meu eu passado só podia agir de um jeito tão lastimável.

00:01

Nós temos mais um minuto antes que seja a hora.
Eu tomei minha posição, preparado para a teleportação.

00:00

Bikin! (NT: é um som branco aqui; tio Google e tia Wikipédia falam que é isso aqui)

Um som ensurdecedor ecoou pelo mundo.
No próximo instante, minha visão girou em volta e o cenário à minha volta mudou. Eu provavelmente estava sendo transportado.

“O céu…” (Naofumi)

Pintado com um vermelho-vinho suspeito, rachaduras começaram a descascar e expandir para fora pelo céu devida à fenda dimensional.

“Então isso é…” (Naofumi)

Enquanto analisava a cena, três sombras passaram correndo por mim, seguidas por outras doze pessoas.
Aqueles heróis de merda.
Eu também segui eles já que era a coisa óbvia a se fazer, mas para onde eles estão indo?
Enquanto corria para frente, eu vi inimigos rastejando para fora e se empurrando uns contra os outros através da grande fenda no céu.

“Essa é a redondeza da vila Riyuuto!” (Raphtalia)

Raphtalia exclamou ansiosamente depois de examinar a área à nossa volta.

“Como essa é uma terra de fazenda, um monte de pessoas ainda devem estar habitando aqui!” (Raphtalia)
“Mas todo mundo já deve ter evacu–” (Naofumi)

Então uma realização repentina me acertou.
Nós nunca soubemos com antecedência onde a Onda de Calamidade iria aparecer, certo Então como diabos nós saberíamos quais locais precisariam ser evacuados?

“Seus tolos, esperem um minuto!” (Naofumi)

Recusando escutar meu chamado, os três heróis idiotas correram direto para a fonte da onda.
Durante esse tempo um grupo de aranhas monstruosas, se separando da transbordante horda de monstros, seguiu direto para a direção da vila.
Espere, a trupe de heróis retardados tinham atirado alguma coisa como um sinalizador no céu, passando algum tipo de mensagem.
Deve ter sido para informar os esquadrões de knights e apressá-los para a localização deles.

“Tsk!! Raphtalia! Vamos lá proteger a vila!” (Naofumi)

Eu estava endividado com muitas das pessoas da vila Riyuuto.
Eu definitivamente iriei sofrer de remorso se eles forem mortos pela onda!

“HAI!” (Raphtalia)

Nós então corremos para uma direção diferente, nos separando daqueles heróis de merda.

Anúncios

3 respostas em “Capítulo 19 – Memória/Besta Negra

Deixe uma Resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s